31.3.14

PASADENA OU PASSE A GRANA

SEBASTIÃO NERY - 

Um amigo de Getulio Vargas, quando Presidente (eleito em 1950), criticava Ricardo Jafet, cunhado de Paulo Maluf:
 
         - Presidente, nos primeiros encontros, no início da sua  campanha eleitoral, Jafet parecia o homem mais desinteressado do mundo. Não pedia nada em troca de sua ajuda. Dizia que era apenas um admirador e lutava como patriota pela volta do senhor ao poder. Depois, quando o senhor lhe entregou o Banco do Brasil, ele revelou seus verdadeiros intuitos.

         - Eu sempre desconfio muito daqueles que nunca me pedem nada. Os que se sentam à mesa sem apetite são os que mais comem.
        
O BARÃO

Em entrevista ao jornal “Estado de S. Paulo”, em 22 de março ultimo, o barão belga Albert Frére, que arrancou mais de um bilhão de dólares da Petrobrás, assim se definiu cinicamente:

- “Sou um financeiro parasita que compra e vende sociedade. Sou um parasita das finanças do Estado. Sou um vampiro do Estado. Enriqueço graças ao Estado, seja o Estado belga, o francês” ...

- Ou o Estado brasileiro.  
-  “Sim, ou o Estado brasileiro.” 
        
DILMA

Primitiva na ação política, arrogante no exercício do poder, o falso brilhante Dilma Rousseff durante anos recebeu dos áulicos e de colunistas da imprensa chapa branca o diploma de gerente competente, a “gerentona”.

         Hoje, o valor de mercado da Refinaria de Pasadena, no Texas, que a Petrobrás comprou por 1,2 bilhão de dólares, é de 180 milhões de dólares. E o estarrecedor: em 2005, a empresa belga Astra Oil, do Barão, comprou a “Pasadena Refining System Inc”pelo valor total de 42,5 milhões de dólares.

         Ao tentar tirar o corpo fora, agora na Presidência da República, a presidente Dilma quis se eximir de responsabilidade na estranhíssima e milionária negociata. Alguém a enganou. Não é Pasadena é Passe a Grana. 

PETROBRAS

A engenheira Graça Foster, atual presidente da Petrobrás, que vem tentando reimplantar um ciclo de moralização na sua administração, lembrou que o debate no Conselho de Administração é sempre intenso e a preparação de uma reunião toma dias e semanas de discussão. 

Na época a Petrobrás era a 12ª maior empresa do mundo em valor de mercado, atualmente é a 120ª.          Responde por 12% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional. É responsável por programa de investimentos maior do que o da União. Igualmente responsável por 13% do total arrecadado com impostos pelo governo federal e 17% do ICMS pago aos Estados. 

É um escarneo à bela historia da Petrobrás permitir que ela continue   frequentando a lista de escândalos policiais como o da Refinaria do Texas.

LULA

Desde que Lula chegou ao governo, em 2003, a Petrobrás foi logo transformada em um deposito de escusos interesses e negócios suspeitos. Tomada de assalto por uma malta de falsos sindicalistas, lideres sindicais de araque, milhares e milhares, com salários privilegiados diante dos verdadeiros petroleiros, a Petrobrás virou uma cafua do PT,  a PTralha.  
  
O PT imaginava que os escândalos não apareceriam jamais. De repente, em uma manhã qualquer, um diretor está preso acusado pela Policia Federal de roubar milhões, outro se esconde fugindo pela Europa, outros se abrigam em gabinetes do Congresso, negociam delação premiada. 

Quando o esgoto correr para o primeiro andar e aparecer a escumalha dos fantasmas, os verdadeiros empregados que dão a vida à empresa em terra e nos mares vão descobrir como são injustiçados e explorados.  

PASSEAGRANA

E o PT começa a jogar Lula contra Dilma, por “não cuidar bem do espolio”. O “Volta Lula” está em todas as colunas do “Exercito do Franklin”. O povo começa a ver tudo. Já está nas redes sociais furando a ferida. Muitos, com ironia, pedem que a Petrobrás  rebatize a refinaria nos Estados Unidos com o seu nome certo: “Refinaria Passeagrana”.

                   sebastiaonery@ig.com.br