26.11.15

Após derrubada de caças russos pela Turquia, Putin envia navios antimísseis para costa síria

Via Opera Mundi -
Rússia acredita que ação turca foi “provocação premeditada” e irá suspender todo contato militar com país; Erdogan diz não querer aumentar tensão com Moscou.

Após a derrubada de duas aeronaves russas pela Turquia, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou ontem (25) que enviará um navio antimíssel para a costa da Síria, no mar Mediterrâneo, onde também se encontra a costa turca. Moscou já avisou que qualquer alvo que represente uma ameaça para seus caças será destruído.
O Kremlin também suspeita que a ação turca foi uma “provocação premeditada” e, por isso, irá romper todo o contato militar com a Turquia. Putin pediu para que cidadãos russos não visitem o país.
“Após um evento tão trágico quanto a destruição de nossa aeronave e a morte de nosso piloto, essa é uma medida necessária”, disse. Os pilotos dos aviões conseguiram se ejetar e escapar da explosão, entretanto, um foi baleado e não resistiu. O outro, capturado por sírios turcomanos, foi resgatado com sucesso. 


A Rússia, segundo o ministro de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, não pretende travar guerra contra a Turquia, e haverá uma reunião entre chalceleres dos dois países nos próximos dias. Lavrov já tinha uma viagem programada para Ancara para esta quarta, mas a cancelou após o incidente.

Em primeira declaração sobre a operação, o presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, disse que seu país não tem a intenção de aumentar a tensão com a Rússia, mas protegerá suas fronteiras.
“Ninguém pode esperar que fiquemos mudos e imóveis quando estão violando continuamente a segurança de nossa fronteiras, mas não temos, claro, intenção de aumentar a tensão”, disse ele.
Erdogan ainda defendeu que os caças estavam violando seu espaço aéreo, colocação contestada por Moscou desde o início. Disse também que o governo desconhecia a nacionalidade das aeronaves quando deu as ordens para que elas fossem derrubadas.
Putin já alertou que reagirá “de uma forma ou outra” no caso de novos incidentes.