28.11.15

O EXEMPLO CHINÊS. PT ENTREGA DELCÍDIO PARA SALVAR OS DEDOS

Por LÚCIO FLÁVIO PINTO - Via blog do autor -

O exemplo vem da superpotência China. Em setembro de 2013 o país começou a construir a primeira linha de trem de alta velocidade do mundo a circundar uma ilha. Os trens circularão, até o final do ano, à velocidade de 200 quilômetros por hora, por um anel ferroviário de 345 quilômetros de extensão, em dois trechos, com várias paradas ao longo do percurso.

O investimento foi de 27 bilhões de yuans (o equivalente a 4,23 bilhões de dólares ou mais de 15 bilhões de reais). Ontem, pouco mais de dois anos após o início das obras, 20 trens vazios começaram a circular pela linha em período de testes.

Que tal comparar o padrão brasileiro ao chinês para melhorar as relações de troca entre os dois países, muito mais favorável a eles do que a nós, copiando suas boas lições, principalmente nesta era de lavagem a jato dos vícios nacionais?

PT entrega Delcídio para salvar os dedos


O Senado ainda não havia se reunido, ontem, para decidir se referendava ou não a ordem de prisão do líder do governo na casa, senador Delcídio do Amaral, do PT, determinada pelo STF, e o presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão (que é um burocrata ideológico, sem qualquer mandato político), já emitia uma nota declarando que o PT não iria se solidarizar com o seu filiado.

Foi uma sentença prévia,oportunista e precipitada de condenação, que muito deve ter servido à deliberação da maioria dos senadores pela manutenção da prisão do parlamentar (rifado logo pela sua gente). Mas quando se esperava que, concluindo essa iniciativa, o PT expulsasse sumariamente o homem que condenara ou formalizasse de imediato um processo na sua comissão de ética, para expulsá-lo depois de conceder-lhe o sagrado direito de defesa, o partido deixou essa parte para depois, procrastinou. A decisão ficou capenga, incoerente, abjeta.

Para entendê-la, é necessário considerar a reação de Lula. O ex-presidente já não controla a sua criatura e sucessora, a presidente Dilma Rousseff. Mas controla o partido pelo qual ela se elegeu, comendo em sua mão os votos que custaram tanto ao país. Lula foi ainda mais fulminante: para ele, o até então respeitável senador mato-grossense é um idiota, um imbecil. Se pudesse, mandaria interná-lo em camisa-de-força.

Traduzindo a jogada política para o cidadão desavisado: Lula e o PT querem execrar o senador agora maldito, desligando-o do partido, que é Lula, e jogando-o no colo do governo, também petista (mas e daí? Já não tem utilidade para o ex-quase-futuro candidato a mais um mandato de presidente da república, embora o bom senso e a realidade teimem em lançar dúvidas sobre a factibilidade dessa pretensão).

Dante Alighieri, um dos homens mais sábios que já pisou o solo deste planeta, não tinha como os piores seres aqueles que queimavam no inferno da sua Divina Comédia. Seu maior desprezo era pelos oportunistas, os omissos, os indiferentes, os que não assumem seus atos e traem seus compromissos e companheiros.

Na Divina Comédia de Dante, Lula não iria para o inferno, porque tem seus méritos e fez coisas boas. Ficaria no purgatório. Lugar no qual confirmou sua presença por mais um ato, como a reação de ontem à prisão do senador Delcídio Amaral.