26.11.15

O PRESIDENTE DO PT JÁ DEVIA TER PEDIDO DEMISSÃO

HELIO FERNANDES -


Ontem, no auge da sessão do senado para decidir o presente e o futuro do senador Delcídio Amaral, surgiu no plenário, uma nota oficial do PT. Vergonhosa, contundente, calamitosa, foi repudiada por adversários e até inimigos do partido.

O mínimo de identificação verbal que recebeu: covarde, insensível, melancólica, inaceitável. E o próprio partido repudiou a nota, que afirmava "não poder prestar solidariedade ao senador”. Razão alegada:" Ele não estava no exercício do mandato". Pois a exigência foi aceita, haverá outra reunião, outro pronunciamento a respeito dele.

No momento em que termino estas considerações, Delcídio está depondo há mais de três horas, não vazou nada ainda. 

Dentro do PT, alguns querem expulsar Delcídio com ele ainda preso. Outros pensam em mais profundidade, "A vida publica de Delcídio acabou. Pode renunciar, perde o foro privilegiado, vai para Curitiba,por vingança e represália,faz delação premiada. Quem tem saúde para suportar ?

E não é preciso adivinhar o estrondo da bomba Delcídio Amaral querer ir para Curitiba, o banqueiro do Pactual, contratou o advogado mais caro do país, só quer uma coisa, não ir para Curitiba. Como a vida é uma coleção ás vezes inesperada de contradição, enquanto Delcídio pode.

Delcídio precisa trocar de advogado

Um deles foi preso também, contratou outro, estamos vivendo o apogeu dos causídicos.  Não conheço esse novo, não sei sua idade, mas pela primeira afirmação publica , deveria pelo menos fazer um curso de extensão ou até voltar á faculdade.

Textual: ”O Supremo não tem poderes ou competência para prender um senador no exercício do mandato". 

Esse advogado deveria ouvir as gravações e meditar sobre elas. Depois pegar as sumulas com os votos dos Ministros Celso de Mello,Carmem Lucia,Gilmar Mendes, Dias Tofolli e principalmente do relator, Teori Zavascki. Se insistisse em negar a decisão do Supremo, aí o próprio Delcídio mandaria pedir a OAB para destituí-lo.

Aliás se as gravações do filho do Cerveró forem verdadeiras (o que parece ser a realidade), as necessidades de Delcídio não são de advogado e sim de psiquiatra.