22.12.15

GOVERNO FAZ BALANÇO MIRANDO FEVEREIRO

Por TEREZA CRUVINEL - Via Brasil247 -

No ambiente político desembaçado pela decisão do STF em relação ao ritual do impeachment, o governo encerra o ano parlamentar buscando acertar os ponteiros com os líderes da coalizão com vistas à nova etapa que virá com a reabertura do Congresso, em fevereiro. Hoje à tarde o ministro Ricardo Berzoini reúne-se com os líderes aliados para um balanço do que já passou – e o pior já teria passado, na avaliação palaciana – buscando recompor a base para enfrentar a tramitação do impeachment na Câmara logo que o Congresso reabrir. À noite, a presidente Dilma abre o Alvorada para uma confraternização com os aliados, para a qual está convidando ministros, deputados e senadores.

Embora o governo tenha cogitado de patrocinar uma convocação extraordinária do Congresso a partir de 11 de janeiro, o tema não estará na agenda da reunião de hoje com Berzoini. Depois da decisão do STF, segundo líderes governistas,  a medida tornou-se desnecessária. A Câmara é que terá de realizar uma nova eleição da comissão especial do impeachment, assunto que será tratado por Eduardo Cunha, também hoje,  à tarde com os líderes da Casa.  Nesta reunião ficará claro que tipo de manobra ele e seus aliados tentarão implementar para driblar a proibição de chapa avulsa feito pelo STF para a nova eleição que terá de ser com voto aberto.

Além de achar desnecessária a convocação extraordinária, o governo não quer indispor-se com o presidente do Senado, Renan Calheiros, que é contrário, justamente agora em que ele está muito próximo de Dilma e fustigando o vice Michel Temer, alvo de suas movimentações para tomar-lhe o controle do PMDB.

Na reunião com os líderes, Berzoini tratará sobretudo de mapear os focos de insatisfação nas bancadas para reduzir a infidelidade e a disposição de votar a favor da autorização de abertura de processo de impeachment. Segundo levantamento do  Datafolha, 31% se dispõem a votar a favor do governo, o que poderia corresponder, numa projeção que não tem o mesmo valor de uma pequisa, a 159 votos, quando o governo precisará de 171.

A oposição, por seu lado, segundo o mesmo levantamento, está mais distante de seu objetivo, contando com 42% dos votos, ou cerca de 215, quando precisará de 342.

À noite, na confraternização, Dilma deve agradecer aos aliados com que contou ao longo deste ano em que  desceu aos infernos na economia e na política mas do qual está conseguindo sair viva e com perspectivas melhores para 2016.  Se conseguir barrar o impeachment, seja na Câmara ou mesmo no Senado, e seu novo ministro da Fazenda conseguir a mágica de não decepcionar o mercado em matéria fiscal e animar o setor produtivo mitigando a recessão, Dilma poderá sonhar com um ano novo melhor.