12.12.15

O DAY AFTER: COMO SERIA O DIA SEGUINTE AO GOLPE?

Por PAULO NOGUEIRA - Via DCM -


Um filme de alguns anos atrás tem me ocorrido com frequência nestes últimos dias. Na verdade, é o título que me vem à cabeça, e não de forma agradável.

É uma distopia. The Day After. O Dia Seguinte. É o que aconteceria no planeta depois de uma calamidade.

Pergunto para mim mesmo.

Como seria o país no dia seguinte caso o golpe seja bem sucedido e Temer substitua uma Dilma deposta.

E eis a moderna distopia nacional.

Reações a golpes são um clássico da humanidade. Só os golpistas mais obtusos imaginam que no dia seguinte receberão flores.

Os brasileiros sabem disso. As reações ao golpe militar de 1964 foram imediatas. Sangue jorrou durante muito tempo. Mortos, desaparecimentos. Conflitos nas ruas.

Uma país mergulhou numa longa noite escura e fria na qual brasileiros mataram brasileiros. Foram 23 anos pavorosos, ao fim dos quais os golpistas, mesmo tendo teoricamente a força das armas, tiveram que deixar o poder pelas portas dos fundos, escorraçados pelo povo.

Foi um amplo, geral e irrestrito fracasso, da economia à política. Coisas boas foram destruídas, como o ensino público de qualidade. E coisas ruins avançaram vertiginosamente, como a desigualdade social que nos humilha como país.

Foi um movimento da plutocracia, pela plutocracia e para a plutocracia.

Bem, é exatamente o que ocorre hoje. O golpe que se arma é da plutocracia, pela plutocracia e para a plutocracia.

Por mais que analfabetos políticos intoxicados mentalmente pela mídia vistam camisas da CBF e saiam às ruas pedindo o golpe, não é deles o controle das cordas que movem as marionetes. Assim como não foram as mulheres da marcha reacionária de 1964 que inviabilizaram a democracia.

É a mesma história que se repete.

Com uma diferença vital. Já não há tanques. Já não há marines à espreita.

O que quer dizer que os inconformados com o golpe se sentirão muito mais animados a reagir.

Isso significará um país em convulsão, à beira de uma guerra civil.

Os movimentos sociais tomarão as ruas, e com a raiva de quem viu ser assaltada a democracia pelos plutocratas sob os argumentos mais descarados.

Alunos secundaristas ocuparão as escolas em todo o país. Sindicatos genuínos produzirão greves sobre greves.

Se você acha que o país está parado agora – por conta, aliás, dos golpistas – não imagina o que será no dia seguinte.

O país estará conflagrado.

Você terá polícias como a de Alckmin para reprimir os manifestantes, mas de novo: por mais violenta que seja, esta polícia não se compara ao conjunto de forças militares de 1964.

Vimos todos as cenas de insubmissão dos estudantes paulistas diante da polícia. 

Manifestações muito maiores, e de pessoas mais indignadas, darão em confrontos em que vidas se perderão.

As mortes gerarão mártires, e os conflitos subirão de degrau.

Não se sabe qual, exatamente, será o final. Mas será horripilante.

E é a isto que os suspeitos de sempre – aqueles de 54 e 64, os defensores de uma ordem iníqua em que o bolo das riquezas nacionais é só deles – querem, em sua ganância cega e obtusa, arremessar o Brasil.

Pode não haver o filme de terror que seria nosso dia seguinte.

Mas para isso os golpistas têm que ser derrotados.

É a derrota do atraso ou, para usar a célebre expressão de um dos Luíses numerados da França, o dilúvio.