11.12.15

UFRJ REVOGA TÍTULO HONORÁRIO DADO AO CRUEL DITADOR MÉDICI NO DIA INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

ILUSKA LOPES -


No dia mundial dos Direitos Humanos, ontem (10), ocorreram diversas manifestações pelo mundo, que a grande mídia faz questão de esconder ou ignorar, exatamente como a que ocorreu no Centro do Rio de Janeiro, um engajado Ato-Panfletagem que contou com a participação de diversos militantes, organizado pela nova entidade dos jornalistas brasileiro, a ANI. Mas simbolicamente, ontem, o fato que mais representou a luta por direitos humanos no Brasil ocorreu na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Agora que a ANI está legalmente legitimada para desenvolver seu papel em prol da classe e da sociedade, foi realizado, ontem, o primeiro Ato-Panfletagem no RJ. Click AQUI e leia o material que foi distribuído pelo grupo. Foto: Antonio José Rangel.
A UFRJ revogou nesta quinta-feira (10) o título honorário concedido a Emilio Garrastazu Médici, no período em que foi presidente do Brasil (1969-1974), durante a ditadura militar. Sob aplausos, a decisão foi aprovada pelo Conselho Universitário na data em que se comemora o Dia Internacional da Declaração dos Direitos Humanos.

A revogação do título contou com apoio dos estudantes, que fizeram um ato, pintando suas roupas e rostos de vermelho e preto, para lembrar os assassinatos e desaparecimentos de pessoas ligadas à universidade. Entre eles, está o do estudante de enegenharia Mário Prata, que dá nome ao Diretório Central do Estudantes; de Stuart Angel, da faculdade de economia, e do professor Lincoln Bicalho Roque, do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da universidade.

Segundo a relatora do processo na Comissão de Memória e Verdade na UFRJ, a professora Lilia Pougy, pelo menos 26 alunos ou professores morreram ou desapareceram somente sob a gestão de Médici.

"Nesta lista comparecem 20 homens e seis mulheres de variadas unidades acadêmicas e centros universitários de diferentes áreas que perderam a vida em razão do seu engajamento político na transformação da sociedade", afirmou Lilia. "[Eles] ousaram defender a democracia, a cidadania reagindo contra o árbitro do governo militar", completou.

Médici havia recebido o título honorário da UFRJ em 1972, quando ainda era presidente da República. No mesmo período, um ginásio da faculdade de educação física, sob a gestão da nadadora Maria Lenk, foi batizado com o nome do general. A homenagem também foi retirada esta semana.

*Com informações do diretório estudantil e Brasil247.