1.12.15

VITÓRIA DA DEMOCRACIA

Por MARCO AURÉLIO MELLO - Via Caros Amigos -
Incrédulo.
Foi como recebi a notícia de que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade, julgou na última quinta-feira (26) improcedente a ação movida contra mim pelo jornalista mais poderoso do País: Ali Kamel.
Por causa desta e de outra ação em que sou réu, nos últimos cinco anos já “comi o pão que o diabo amassou”. Fui ridicularizado por colegas de profissão, criticado por amigos e parentes e vi o mercado de trabalho encolher em mais de 50%. Afinal, o oligopólio Globo emprega a metade de todos os profissionais do País, direta ou indiretamente.
Tudo porque decidi contar minha experiência profissional de mais de uma década na Globo e desafiar aqueles que insistem em exercer o poder de informar de maneira inescrupulosa e tirânica, uma afronta à democracia e uma permanente ameaça a paz e à justiça social.
O acórdão, ao qual tive acesso nesta segunda (30), abre um precedente importante para reverter dezenas de outras ações que tentam calar jornalistas independentes de todo o País. Por esta razão, mais do que uma vitória pessoal, considero um passo importante para a garantia de um direito consagrado em nossa Constituição Federal: “Livre é a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.” (Art. 5º).
Gostaria de agradecer a todos que se envolveram nesta defesa, em especial Luiz Carlos Azenha e Rodrigo Vianna, parceiros de primeiríssima hora; Luis Nassif, que generosamente republicou importantes textos com denúncias que fiz, sobretudo de métodos de manipulação durante processos eleitorais; Paulo Henrique Amorim, por palestrar gratuitamente em prol de nossa causa; Instituto de Mídia Independente Barão de Itararé, na figura do incansável Altamiro Borges; Maria Frô, uma das mais proeminentes ativistas em rede do País; Paulo Salvador, responsável pelas articulações que nos levaram a promover importante debate em prol da democracia, contra os desmandos do Grupo Globo, ocorrido no ano passado; Luiz Malavolta e Carlos Dornelles, por seus testemunhos e apoio incondicional e ao advogado Vitor Cardoso, por assumir sem ônus antecipado causa considerada perdida e revertê-la, levando-nos à esta vitória inédita.
Não posso deixar de fazer uma menção especial à minha companheira, Alexandra, que nos momentos mais delicados manteve a altivez típica de quem traz consigo os sentimentos humanos mais nobres. E aproveitar também para deixar um recado especial a todos os que preferem o conforto do silêncio diante das injustiças: “Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante." (Charles Chaplin)
*Marco Aurélio Mello é jornalista, trabalhou na Rede Globo por mais de dez anos e atualmente atua na TVT.