28.1.16

15 ANOS DEPOIS, BLOOMBERG TENTA A PRESIDÊNCIA, PODE COMPLICAR HILLARY E TRUMP

HELIO FERNANDES -


Em 2000, resolveu ser presidente dos EUA. Dono da maior agencia de noticias econômicas do mundo, contratou os maiores especialistas em campanha eleitoral. Conversaram, concordaram.

Como jamais disputara eleição, consideraram que seria melhor começar disputando a prefeitura de Nova Iorque, importantíssima. Assinaram o contrato, se filiou ao Partido Republicano. Um pouco depois apresentaram o custo financeiro da campanha: 180 milhões de dólares.

Acusado de corrupção pelos adversários, a questão foi para o mais alto Tribunal eleitoral, decisão. Absurdo pensar em corrupção, o dinheiro é dele, registrado e cumprindo todas as exigências. Começou a campanha, ganhou fácil.

Mas surgiu um contratempo: brigou com a cúpula do partido, saiu. Como não tinha a menor simpatia pelo Democrata, ganhou a segunda e a terceira vez como independente. Saiu em 2012, deixou a lembrança de grandes administrações.

E não abandonou a idéia de presidir os EUA, o que confirmou agora, numa afirmação surpreendente para os adversários. 1-Serei candidato a presidente. 2- Não me filiei a nenhum partido, disputarei como Independente, 3 - Já disponibilizei 1 bilhão de dólares para a campanha.

Lembrete: entre os mais ricos do mundo, é o terceiro com 14 bilhões de dólares. Já é considerado "terceiro" adversário. Um Republicano, um Democrata, um Independente. Como na avaliação clássica dos EUA, existe um terço que não vota em Democrata ou Republicano, Bloomberg é mais do que um candidato, é uma preocupação.

A inútil reunião do inútil "conselhão"

Já existia, agora foi convocado e aumentado. Eram 45 membros, agora são 90. Quanto mais, melhor, A reunião está marcada para as 4 da tarde, Dona Dilma está no Quito, não quer demorar. Por dois motivos. 1-Considera a reunião importante, a verdadeira "salvação da lavoura. 2- Temer está no Planalto pode não resistir á tentação de continuar "decorativo".

Ninguém sabe quando começará ou terminará essa esdrúxula e extravagante reunião. Nelson Barbosa promete um relatório sobre as grandes dificuldades da administração. Garantem que 1 hora de palavrório, não é exagero. Vários Ministros falarão, não tão demoradamente.

Cada "conselheiro" poderá falar de 5 a 2O minutos. Mas Abílio Diniz e Jorge Paulo Lemhan, usarão o tempo que quiserem. Sem esquecer de Luiz Trabuco, não pela importância e sim pela pretensão, não terminará nunca.

Dona Dilma, reconhecendo os fracassos anteriores, tem sussurrado que o governo entrará em franca atividade a partir de agora. Mas são tão aleatórias quanto ela, não representam coisa alguma. Coloca duas frases que considera definitivas e com elas conquistará o respeito e a admiração geral. 1- "Queremos discutir a realidade sem ufanismo". Textual. 2- “A recuperação econômica do país está acima de diferenças". Mais irrealidade e devaneios.

Dirceu está fazendo delação ou se defendendo?

Jamais imaginei que Dirceu estivesse na condição quase obrigação, da delação. Nem que o faria ou fará. Lula fez vários depoimentos, quando não tinha explicação, dizia: "Foi o Dirceu". Quando interrogado sobre a nomeação do Renato Duque para a Petrobrás, proeminentes e privilegiados da cúpula do partido, diziam:
"Quem nomeou o Duque foi o Dirceu”. Não está sendo respeitado. E então respondeu: "Quem nomeou o Duque foi a cúpula do PT". Queriam que assumisse o indevido?

Ontem, quarta feira, a Lava jato soltou mais 23 mandatos. Sendo que 6 de prisão temporária.

1- No ultimo dia antes do feriado de São Paulo, a ação da Petrobras valia 4,41. Ontem, 4,51. Lembro daqueles tempos gloriosos, em que saiamos do Clube Militar, percorríamos as ruas do centro, gritando, "O petróleo é nosso".

2 - Ainda não era, agora já não é. O Exercito não era ditatorial e torturador. Alguns generais ambiciosos é que assumiam a posição de enfrentar o povo e macular a sua historia. Isso tem por volta de 70 anos.