5.1.16

CENTRO DO RIO: TERRITÓRIO SEM LEI; "ATLETAS DA FOME" ATERRORIZAM A CIDADE E TENTAM SUPERAR OBSTÁCULOS

ALCYR CAVALCANTI -

No Ano Olímpico a segurança da cidade do Rio de Janeiro é uma falácia, simplesmente não existe. Assaltos em toda parte, a qualquer hora, na previsão de um triste legado que vai ser deixado a uma população sofrida que paga impostos escorchantes. Andar pelo Centro da cidade é uma aventura e uma corrida de obstáculos que rivaliza com os obstáculos que serão apresentados nas competições. A prefeitura da cidade deveria premiar com medalhas aos cidadãos que conseguem escapar da fúria dos assaltantes esfaimados. Um bando de "mortos de fome" arrancam cordões, anéis, relógios, celulares, enfim tudo que possa dar lucro para entregar aos "chefes" e poder comprar uma pedra de crack ou um pouco de cola ou solvente para dar uma alegria efêmera de um "barato" que pode sair muito caro.

A policia como sempre diz que não pode fazer nada, ou como afirmou um policial "A gente prende e o juiz manda soltar". Tristes Trópicos.

Para piorar a situação e dificultar o trabalho de alguns policiais, as obras que espalham buracos por todo o centro impedem a perseguição aos assaltantes, que como autênticos atletas olímpicos da fome conseguem migalhas para alimentar o vício e espantar por alguns segundos a miséria a que foram condenados.