17.1.16

MADAME ENDOIDOU

CARLOS CHAGAS -


Com todo o respeito,  Madame parece que endoidou quando, sexta-feira, a um grupo de jornalistas, declarou-se favorável ao aumento de impostos, inclusive a volta da CPMF, e reconheceu que no correr deste ano o número de desempregados passará dos 10 milhões.  Também confirmou que vai reformar a Previdência Social, aumentando a idade para as aposentadorias.
A presidente continua fornecendo más notícias. De reformas, só as amargas. Desse jeito, em vez de recuperar a popularidade, mais despencará. Depois, queixa-se de que a campanha do impeachment cresceu, em vez de ganhar as profundezas.
A gente fica pensando se Dilma assumiu de caso pensado a imagem do vetusto mestre-escola empenhado em assustar os alunos com a sombra da reprovação e da palmatória. Porque de  alternativas para injetar otimismo na classe,  ela dispõe. Mas faz questão de demonstrar o contrário.
Os dez milhões de desempregados são calculados por baixo. Na verdade, ultrapassam esse número.  A alta do custo de vida multiplica-se todos os meses, ao tempo em que se reduzem os investimentos. Esta semana os juros serão aumentados,  para felicidade dos especuladores  e dos banqueiros. Cresce o número dos envolvidos no lamaçal da corrupção, atingindo a cúpula da administração federal e transformando em frangalhos as bases político-partidárias do governo.
Parece inevitável  a surra que levará o palácio do Planalto nas eleições  municipais do próximo outubro. Os recursos do fundo partidário, mesmo elevados em 183%, não bastarão para impedir a derrota do PT e adjacências, fazendo prever a derrota nas eleições presidenciais de 2018, mesmo que o candidato venha a ser o Lula. 
Em suma, enquanto não for apresentado um plano de recuperação nacional voltado para o crescimento econômico, nada feito. Obras públicas em massa  financiadas pela aliança entre as empresas, os trabalhadores e o governo seriam um bom começo, mas a retração desses três  fatores funciona como um sistema de vasos comunicantes: cada um puxa os demais  para baixo.
Por essas  e outras indaga-se outra vez: Madame endoidou? Perdeu a capacidade de dar a volta por cima? Está disposta a entregar-se? Mais uma entrevista dessas que tem concedido anunciando a falta de opções para o país sair do sufoco tornará evidente a  ruptura definitiva  entre a sociedade e seus representantes. Depois, será o que Deus quiser,e, pelo jeito, ELE já está querendo...