4.1.16

O ESCORPIÃO

MIRANDA SÁ -

Um escorpião não tece teias ou cria armadilhas, mas a sua astúcia é mortal”
(Pablo Meneghel Martinez)



A criação das fábulas como gênero literário, deve-se a Esopo, um escravo grego que viveu nos anos 620—560 a.C.. Contando histórias com ensinamentos morais, ele conquistou grande fama, a cidadania livre e a imortalidade literária.

Os países que dão atenção à educação infantil adotam as fábulas pedagogicamente com uma dupla finalidade: a facilidade no aprendizado da leitura e a reprodução do que leu, e a formação moral e ética do alunato.

No Google há dezenas de fábulas de Esopo, e uma delas nos leva ao momento político que atravessamos: “A rã e o escorpião”. Uma sinopse esclarece a razão disto:

Um escorpião estava à beira de um rio imaginando como poderia atravessá-lo sem saber nadar. Ao ver uma rã sobre a grama pegando sol, engendrou uma farsa puxando conversa com ela: -“Você é capaz de atravessar este rio? ”  Perguntou.

– “Sim, quando quero sempre o atravesso”, respondeu o ranídeo que, desconfiado, perguntou: – “Porque você quer saber? ”. O escorpião com voz macia e sedutora disse que achava uma felicidade fazer isto, mas não sabia nadar; e pediu – “Rãzinha, você poderia transportar-me nas suas costas para a outra margem?”

– “Poder eu posso, mas como terei a certeza de que não me matarás com sua ferroada venenosa? ”, retrucou a rã. Com mais brandura na voz, o escorpião argumentou que se assim fizesse morreria afogado; – “Não tenha medo, minha querida”…

A rã então concordou levando-o nas costas. Ao chegar à metade do fluxo sentiu uma dolorosa picada e um entorpecimento que lhe tirava as forças. – “Você nos matou, escorpião, porque fez isto?”. O escorpião, com desdém, disse: – “Não pude evitar. É da minha natureza…”

Na conjuntura brasileira, vemos que a natureza do escorpião lulo-petista vem do DNA da pelegagem e se alimenta nos exemplos que vêm da Pátria Grande, a Venezuela chavista de Maduro e Diosdato Cabello, escorpiões narco-populistas que ferroam o povo venezuelano.

Falsos democratas, fingiram aceitar o resultado das urnas, mas perdendo, manobraram os pelegos da Assembleia Nacional para envenenar o poder legislativo. Tiraram a rede de TV (ANTV) do Parlamento doando-a a um grupo chavista; e foram mais além ao cinismo, criando um poder paralelo ao Congresso, um tal de “Parlamento Comunal Nacional”.

Essa difusão epidêmica dos venenosos escorpionídeos também vem destruindo o Brasil e desanimando o povo brasileiro. A ferroada dos pelegos acabou com os sindicatos e as organizações estudantis. Também desconstruiu as FFAA, pondo-as a serviço de polícia e usando o Exército em tarefas árduas e perigosas, da construção de estradas ao combate às drogas e ao mosquito da dengue…

Aqui, um coletivo de escorpiões mostra sua índole e a força ativa da maldade, corrompendo, destruindo e matando. Acaba com a Petrobras, rouba a Hemobras, estoura a barragem de Mariana, mistura com água, urina e ácidos o leite, falsifica o iogurte e o queijo, e põe sempre um ovo podre na embalagem…

O Escorpião-Executivo é representado por uma governanta que comete um crime contra a Lei de Responsabilidade Fiscal; o Escorpião-Legislativo faz uma reprodução agâmica de corruptos, e o Escorpião-Judiciário rasga a Constituição e fere profundamente a República, intervindo no Poder Legislativo.

Esses enxames de escorpiões são pragas que devem ser exterminadas com urgência, nos seus ninhos.  Acorda Brasil!