28.1.16

POETAS E POESIAS DE ONTEM E HOJE

MARCELO MÁRIO MELO e CELLY ADELINA -


O MACHÃO

(Marcelo Mário de Melo)

Há muito macho rude raso e violento 

correndo solto por aí pelas esquinas 

pensando ser o soberano no pedaço 
e as mulheres tratando como meninas.



Comportamento de um galo no terreiro 
com arrogância de quem é dono da praça 
macaco-homem pós-moderno troglodita 
vê as mulheres como objetos de caça.

O mundo muda e o machão não se apercebe
que o modelo vai ficando superado
e se apresenta com retoque no discurso
surfando em onda de machismo reciclado.

Caricatura de pai e super-heroi 
manipulando cordas de cavalheirismo 
ele ignora os fios da delicadeza
universais que vão além do sexismo.

Que outro modelo masculino se desenhe
quebrando firme do machismo as suas quinas.
Mais plumas pétalas e toques de cristal
são necessários nas posturas masculinas.


***
CORTE
(Celly Adelina)

Se desse ferir
Punhal for seu nome
Cortando dentro
Resistentes apegos
Há de sentir
No teu universo
Uma gota, ao menos,
Do sofrimento.
Clama
A chama apagada do teu afeto
Nem mais resto
Nem mais punge
Nem  migalhas
Doendo n’alma.
Há penas.