31.1.16

POETAS E POESIAS DE ONTEM E HOJE

MARCELO MÁRIO MELO -
POETUDO
Moro em poeticasa

ando em um poemóvel
como na poetimesa
durmo na poeticama.


Poético-elogio
dou poético-cantada
poético-denuncio
dou poético-porrada.

Poético bebo e danço
poeticocorro e avanço
poeticolambo a vida
poeticuro a ferida.

Entre o céu e a terra
poetudo poenada
poessempre poenunca
poebruxa poefada.

Poenão e poessim
poefome poepão
poepedra poepluma
poedesprezo e atenção.

Surfo na poetissanha
sonho na poetivida
vivo no poeticosmo
sendas sinais sem medida.

Na mão tenho cinco dedos
na mente tenho um milhão
voo no poetissonho
ando no poetichão.

***
ÁGUA FOGO PEDRA
Água molha. 
fogo queima 
pedra apruma.

Água amolda
fogo funde
pedra esteia.

Água arrasta
fogo engole
pedra fere.

Água encanta. 
fogo incita. 
pedra rola.

Água limpa. 
pedra escreve. 
fogo imprime.

Águas 
fogos 
minhas pedras: 
que querem vocês de mim?

*Marcelo Mário Melo, é poeta, escritor, jornalista, intelectual pernambucano, e ativista político. Nasceu em Caruaru e foi para o Recife com nove anos de idade. Integrou-se ao PCB aos 17 anos de idade, foi fundador do PCBR em 1968, atuou na clandestinidade, teve a prisão preventiva decretada em 1970 e foi preso político em Pernambuco de março de 1971 a abril de 1979. Filiou-se ao PT em 1980, desfiliou-se em 1990 e reintegrou-se em 1994, sem ter se ligado a nenhum outro partido no intervalo, “o que equivale a um segundo casamento com a mesma mulher”, como ele mesmo costuma dizer. Escreve poemas, histórias infantis, mini-contos e textos de humor.