16.1.16

TRÊS FICHAS SUJAS SE ENGALFINHAM E DÃO GOLPE NA PRAÇA. OS CRÁPULAS DO CHARLIE HEBDO. GESTO HUMANITÁRIO É PUNIDO COM MULTA NA FRANÇA

MIRSON MURAD -


Aécio Neves, Geraldo Alckmin e Serra estão se desentendendo. O PSDB, sob o comando do Aécio, recusa-se a pagar uma dívida de milhões de reais assumida por Zé Pinóquio Serra em sua campanha política para prefeito de São Paulo.

Enquanto eles batem boca, seus credores continuam chupando os dedos. Já se foram muitos anos e nenhum pagamento foi feito.

É assim que agem os maus pagadores. E pensar que esses três disputam quem vai candidatar-se a presidente do Brasil pelo PSDB... Vade retro Satanás!...

OS CRÁPULAS DO CHARLIE HEBDO

Uma charge explorando o corpo do pequenininho sírio Alan que apareceu morto em uma praia. Debochada, ofensiva, agressiva, hedionda, nojenta foi publicada nesse jornal desclassificado.

Os responsáveis por essa grosseria precisam ser presos, levarem uma tremenda surra e sofrerem uma punição rigorosa, assim como um longo período atrás das grades.

CRUEL INSENSIBILIDADE COM UMA MENININHA

Na França um homem de bem, caridoso, amoroso, foi punido por ter ficado compadecido por uma menininha síria, acampada com seu pai, na estrada, na periferia da pátria de Joana D' Arc, levou-a para sua casa, após súplicas do pai da criança para que ele a levasse consigo.

Por esse gesto humanitário, teve de pagar uma multa e, por pouco, não foi preso. A infeliz menina teve de retornar ao relento da estrada, para os braços do pai. Foi um ato de extrema crueldade!

Se, ao invés e uma criança refugiada, fosse um importante político sírio ou um grande empresário idem, eu creio, creio não, tenho absoluta certeza que seria recebido com pompas e circunstâncias na França. Provavelmente, o governante supremo francês iria - pessoalmente - resgata-lo da estrada.

Autorizo as autoridades francesas a enviarem essa criancinha para mim que eu pagarei todas as despesas e cuidarei dela sem nenhum ônus para os cofres públicos, sejam do Brasil ou da França. E, quando seu pai puder recebe-la de volta, eu a devolverei para ele.

"To be, or not to be" já dizia Shakespeare...