26.2.16

A CRISE NO BRASIL PARECE COMEÇAR A CHEGAR AO FIM

EMANUEL CANCELLA -

Para acabar com a crise no Brasil faltou a Lula, Dilma e ao PT a preocupação com a própria família, como tem Aécio Neves, o Juiz Sergio Moro e FHC, além do espírito de justiça do ministro Gilmar Mendes.


Aécio Neves, que foi derrotado nas urnas, chama o povo para as ruas para tirar da presidência, Dilma, que o derrotou. E oportunisticamente, para colocar ele. Lógico! Dilma nunca ajudou ninguém da família e, verdade seja dita, Aécio sempre se preocupou com a família. O mensalão que Aécio recebia de uma diretoria de Furnas que ele controlava era através da irmã. O Aeroporto que Aécio construiu na cidade de Claudio era em terras da família e com dinheiro público, para aumentar o patrimônio familiar.

Lula tirou 36 milhões de brasileiros da zona da miséria com o Bolsa Família, ninguém da família dele.

O helicóptero que caiu com cocaína, pertencente ao senador Zeze Perela, amigo do Aécio, que muita gente faz a conexão criminosa com o aeroporto de Claudio, a investigação está arquivada. Quando a quantidade é pouca, é considerada para uso pessoal. Como eram 450 kg de cocaína  era para trafico e para suprir muita gente. Está aí o espírito de ajuda coletiva!

Dilma já construiu mais de três milhões de unidades de “Minha casa Minha Vida” e para a própria família nada. FHC, além do apartamento em Paris, possui uma fazenda em Buritis, MG Mesmo com aeroporto e com 1046 hectares, ele declarou no imposto de renda valendo R$ 106.000,00.

Lula fica usando o sítio do amigo, chegou ao absurdo de ir ao sitio 111 vezes. A Globo, que mostrou em várias reportagens o triplex em Guarujá que Lula não é proprietário. Pasmem! A mesma Globo é proprietária de um triplex de luxo em Paraty em área proibida, trata-se de área preservação ambiental.

Enquanto FHC tem apartamento em Paris para passear com a família, fazenda, Lula fica passeando com dona Marisa no Brasil, em um barco de alumínio sem motor. Coisa de pobre.

Dilma, que vai enfrentar os protestos de rua chamados por Aécio Neves, vai se confrontar também no julgamento de sua campanha a presidência  com o presidente do TSE, o ministro Gilmar Mendes que é um exemplo de juiz sem juízo.

Esse juiz deu em 24 horas dois habeaus corpus para tirar da prisão um homem condenado a dez anos de prisão. Para Gilmar, a justiça não dorme, mesmo que esse homem seja um banqueiro. O ministro Gilmar Mendes mais parece um advogado de porta de cadeia. Gilmar Mentes, como foi chamado pelo escritor Luis Fernando Veríssimo, também não deixou na cadeia o médico estuprador, Roger Abdlmassih, que só violentou 37 mulheres  no leito de hospital, condenado a 278 anos de cadeia. Gilmar Mendes soltou o médico que, em seguida, fugiu para o Paraguai. E o ministro Gilmar Mendes é sempre citado (tem fama) na gravação do filho de Nestor Ceveró, que resultou na prisão do Senador do PT Delcidio do Amaral. O nome de Gilmar Mendes e do também ministro Dias Tofolli foram citados, como juízes que poderiam livrar da cadeia Ceveró. O senador foi preso e nada aconteceu com os ministros.

Dilma, Lula e o PT enfrentam também a dureza do juiz Sergio Moro, chefe da operação Lava Jato. Diz o delegado aposentado, ex-presidente da Assoc. dos Deleg. da PF, Armando Coelho Neto, sobre a lava Jato: Não há combate a corrupção. É uma guerra ao PT”, O juiz Moro também parece ter uma grande preocupação com a família. Enquanto Moro, segundo o delegado da PF, trava uma guerra com o PT, segundo o blog de Luis Muller:  “ESPOSA DE JUIZ DA LAVA JATO, Rosangela Wolf Quadro Moro, é ADVOGADA EM ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA DE MULTINACIONAIS DO PETRÓLEO COMO A SHELL E OUTRAS...  mas de quebra ainda tem o Cargo de assessora jurídica no gabinete do Vice Governador (do PSDB) do Paraná.”

Não é a toa que a Globo deu ao juiz Moro o prêmio de homem que faz a diferença.

Para acabar com a crise no Brasil faltou a Lula e a Dilma a preocupação com a própria família, como tem Aécio Neves, o Juiz Sergio Moro e FHC, além do espírito de justiça do ministro Gilmar Mendes.

*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).