17.2.16

A MANSÃO DOS MARINHO E O AGENTE NO PANAMÁ

Por FERNANDO BRITO - Via Tijolaço -


Os provocadores da direita que vêm a este blog perguntar o que tem a ver a mansão dos Marinho com a Lava Jato iriam sumir, se tivessem vergonha na cara.

E o mesmo se aplicaria, se tivessem a mesma nas faces , aos policiais e procuradores do Dr. Sérgio Moro.

O que tem a ver?

Tudo.

Firme-se para não cair da cadeira: a dona da mansão dos Marinho, a controladora da Agropecuária Veine, a Blainville, dividia sala no Panamá com a empresa de picaretagem de Paulo Roberto Costa, operador supremo o “petrolão”.

No relatório “paralelo” do PDSB (e PPS/DEM) é dito que Paulo Roberto Costa montou a Sunset Global Services Ltd. Corp, no Panamá, para – transcrição literal – “comprar” uma casa em Mangaratiba, no Rio. A casa valia R$ 3,2 milhões. À época da Operação, a Polícia Federal ainda não sabia se a negociação tinha sido realizada.

O que fizeram os Marinho, com a diferença de que a casa não era em Mangaratiba, “coisa de pobre”, mas em Paraty, numa praia que virou particular?

Constituíram um empresa no Panamá, como Costa, para comprar e fazer a sua mansão praiana, como Costa.

A Bainville International Inc foi aberta com os mesmos US$ 10 mil com que Costa abriu a sua “laranjaria no Panamá.

Pelo mesmo escritório de “laranjeiros”, o de Icaza, Gonzalez – Ruiz & Aleman.

Com o mesmo endereço, na fábrica de laranjas usada por Costa: Calle Aquilino de La Guardia, número 8, Panamá City.

Abriu-se uma empresa aqui no dia 12 de março de 2004. Abriu-se uma lá, no Panamá, no dia 23 de março.

A empresa panamenha, no dia 13 de abril, constitui Jorge Luiz Lamenza seu procurador no Brasil.

No dia 28 de abril depois de registrar uma tradução juramentada e certidões diversas, aBlainville, através de Lamenza, compra 90% da empresa brasileira que viria a ser dona da mansão Marinho. Os 10% restantes eram de uma senhora no prosaico Grajaú carioca.

Lá, no Panamá, a empresa tem sede na sala que viria a ser a mesma da Global, de Paulo Roberto Costa.

Todos os documentos reproduzidos na imagem são de certidões tiradas no Registro Notarial do Panamá e na Junta Comercial de São Paulo.

Diria o Ronnie Von: a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim.

Um é falcatrua. O outro é…não vem ao caso.

Imaginem se o sitio do Lula fosse de uma empresa no Panamá, sócia de sala do Paulo Roberto Costa?

Pois o sítio dos Marinho é.

E não acontece nada.