18.2.16

ATIVISTAS E MANIFESTANTES PRESTAM APOIO AO ADVOGADO POPULAR

ROGER MCNAUGHT -


Na tarde desta quarta-feira, dia 17 de fevereiro, data marcada para mais uma audiência de um dos infames processos movidos contra o advogado Marino D'Icarahy no Tribunal de Justiça do estado do Rio de Janeiro.

Em apoio e solidariedade ao advogado, diversos manifestantes compareceram à frente do Tribunal, em um grande ato de apoio ao mesmo, informando a população da real situação.

O advogado Marino D'Icarahy tem estado em evidência devido ao processo oriundo das prisões da final da copa do mundo, onde 23 ativistas foram presos e processados, sendo que o mesmo vem desde o início apontando diversas irregularidades no processo e nas prisões, alegando que a DRCI vem se comportando como “um novo DOPS”.

Dentre os advogados que vem defendendo as causas populares destaca-se além do advogado Marino D'Icarahy também o advogado André de Paula, que igualmente sofre processos e recentemente foi fisicamente agredido dentro do tribunal.

Da mesma forma como prezamos pela liberdade de imprensa, devemos igualmente prezar pelo amplo direito à defesa e à inviolabilidade das prerrogativas dos advogados, especialmente se tratando de advogados que batalham dia após dia para prover o mais básico acesso à justiça a todos os despossuídos e marginalizados pelo atual sistema.


Segue abaixo o texto publicado nas redes sociais pelo advogado Marino D'Icarahy sobre o andamento do dia:

NOTÍCIAS DO MEU JULGAMENTO

Não terminou, vai contiuar no dia 11 de abril, às 15:30, na mesma 16ª Vara Criminal, com a oitiva de mais 2 testemunhas de defesa e com o meu interrogatório.

Hoje foram ouvidas as testemunhas de acusação, capitaneadas pela suposta vítima, e 2 testemunhas de defesa.

Os depoimentos, mesmo os que pretensamente ajudavam a acusação, fazendo alguma carga contra mim, foram por demais favoráveis, porque corroboraram a existência de um conjunto de circunstâncias que envolveram a dinâmica dos fatos, de tal forma, que se afirmam como excludentes de criminalidade, ou seja, de que o fato é atipico, ou seja, não constitui crime.

Estou muito confiante na linha adotada pela nossa defesa, mas, sobretudo, por conta do apoio recebido de tantos e tantos companheiros, amigos, colegas, lutadores, militantes das mais variadas causas, entidades do movimento popular. Cada um de vocês que me municiaram nessa corrente positiva mereceriam um agradecimento especial, mas me sinto impossibilitado materialmente para falar com cada um de vocês individualmente, a todos que compareceram, aos que não puderam, aos que curtiram, aos que compartilharam, aos que torceram, aos que oraram.aos que se manifestaram e aos que não se manifestaram, mas que sabemos também estão juntos. Por isso, quero expressar o meu mais profundo agradecimento por essa força, nessa luta que não é minha nem é sua, mas, de todos nós. Tenho a plena convicção de que lutas como a nossa não são ganhas no Judiciário sem a indispensável denúncia do caráter político do processo, sem a força da divulgação do caso, não permitindo que o mesmo seja processado e julgado nos subterrâneos do sistema e sujeito a todo tipo de consequências, fora do conhecimento da sociedade.

JUNTOS SOMOS UM!

Vamos nos preparar para a próxima audiência!

Mas, independentemente de qualquer outro passo, mais uma vez, já nos sinto vitoriosos, pois, enfrentamos o nosso algoz e a injustiça de suas acusações com altivez, com equilíbrio, com firmeza, sem temer lutar para que prevaleça a razão.

LUTAR NÃO É CRIME! ADVOGAR NÃO É CRIME!
ATÉ A VITÓRIA, SEMPRE!