23.2.16

CÓDIGO DE BARRAS

MIRANDA SÁ -

“Eia, ó jovens da Nova Era! Oponde-vos aos mercenários ignorantes! Pois temos mercenários na caserna, na Corte e na Universidade!” (William Blake)

Prevalece entre nós a ideia de que a vida nacional só começa quando termina o carnaval. O povo brasileiro é sábio: Os acontecimentos políticos que assistimos na pós-folia já ultrapassaram todas as previsões da imprensa.

E se tivéssemos o segredo, a senha, um código de barras, as chaves para abrir a caixa preta do poder, encontraríamos coisas estarrecedoras. Lá estão amontoadas as ilegalidades das altas esferas do poder, dos hierarcas do PT e do seu chefe, Lula da Silva.

Se fosse a segurança mecânica dos cofres comuns, abriríamos as travas girando o botão circular numerado, número a número do segredo do Erário invadido pela pelegagem junta e misturada com banqueiros, empreiteiros, lobistas, doleiros e golpistas de todo gênero.

Se fosse uma senha falada, palavras-chave passadas por sentinelas na troca da guarda, ou atualizando conto das Mil e Uma Noites com o chefe dos ladrões gritando “Abre-te Sésamo!”, teríamos as fases da Lava-Jato, “Passe Livre”, “Pixuleco”, ‘Juízo Final”, “Triplo X” e agora “Acarajé”!

Quem sabe se poderíamos desvendar todas as maracutaias lulo-petistas com códigos de barras, a extraordinária adaptação gráfica do código Morse, feita pelos engenheiros norte-americanos Norman Joseph Woodland e Bernard Silver? Com essa tecnologia aparentemente simples, baseada em linhas estreitas, identificam-se bilhões de produtos…

No varejo da roubalheira recaem denúncias sobre o “Capo di tutti capi” que considero vulgares. Lula, segundo ele próprio, recebeu “presentinhos” que levou nos 14 caminhões da mudança que saiu do Alvorada para o sítio de Atibaia. Essas piroquetagens de Lula são banais, um empréstimo aqui, um financiamento lá, dispensa de dívidas acolá. Algumas MPs de favorecimento para atender um filho lobista…

Convenhamos, são furtos dignos de ladrões de galinha em comparação à destruição da Petrobras e aos roubos nas estatais e fundos de pensão. Representam apenas um traço na audiência das performances do Grande Gabiru e do seu poste na presidência.

É monstruoso o assalto praticado pelos pelegos lulo-petistas, provocando a indignação e a rebeldia de 93% dos brasileiros de todos os matizes político-ideológicos, acima dos partidos, filosofia de vida e religiões.

Este cenário degenerado da corrupção, desenhado pela violência, a falta de assistência médica e de Educação de qualidade, revolta o País, atestando que temos os poderes coniventes e em alguns casos participantes de organizações criminosas. A máquina pública está infiltrada de bandidos por compra de consciências, mercenarismo ou fanatismo ignorante.

O momento histórico exige a formação de uma frente nacional ampla para fazer uma real oposição, que os partidos que se assumem como “oposicionistas” não fazem. A unidade contra o governo lulo-petista é fundamental porque, embora debilitado, o poder nas mãos dos pelegos está consolidado.

Com raríssimas exceções, como o ministério público, determinados setores do Judiciário, da Polícia Federal e da imprensa, o aparelhamento cobre pesadamente o Poder Executivo, cortes de Justiça e o sempre flexível Legislativo.

Desse modo não há mais tempo para discursar sobre a crise, protelando o desastrado, incompetente e corrupto Governo Dilma. O código de barras nos leva ao impeachment que corre na Câmara Federal e ao julgamento que tramita no TSE. É urgente passá-lo no raio laser deletando a pelegagem para tirar o País do atoleiro.