11.2.16

ESTAMOS À MERCÊ DA MÁFIA COMPOSTA PELA JUSTIÇA E PELA GRANDE MÍDIA

EMANUEL CANCELLA -

“Eu não acho que exista um combate à corrupção, existe uma guerra declarada ao Partido dos Trabalhadores”. Delegado da PF, Coelho Neto.


Tentam passar a ideia de que o problema do país são os políticos corruptos! Em parte isso é verdade, mas a justiça e a mídia não ficam nada a desejar a esses políticos, com o agravante de que estão mancomunados. Agem como a máfia italiana!

Ou você acha que os vários vazamentos da Lava Jato, seletivos para a Globo, foram por acaso? O absurdo da perseguição do juiz Moro a Lula, com ampla visibilidade na mídia, principalmente no Jornal Nacional da Globo, não é uma jogada política eleitoral de oposição para desgastar Lula, Dilma e o PT? Mesmo com os absurdos de usar contra Lula factóides como a nora, o filho, o amigo, o barco sem motor, o triplex e casa de campo que não é de Lula! Até a horta de dona Marisa no sitio é usada como matéria de jornalismo. “Eu não acho que exista um combate à corrupção, existe uma guerra declarada ao Partido dos Trabalhadores”.

Quem diz a frase,  dita com a ressalva de que “não sou PT”  e “não gosto de muita coisa no PT” é o delegado aposentado Armando Coelho Neto, ex-presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal.

E a oposição de esquerda se cala até porque, em artigos, condena o lulismo, então prender Lula e torná-lo inelegível é uma forma de combater o PT para as próximas eleições, talvez por acharem que Lula poderia ter feito mais pelos pobres e não fez. Alguém acredita que um presidente gerado pela máfia, da mídia e da justiça, e da oposição de direita para governar o país pós Dilma, vai fazer a tão propalada justiça social que Lula e o PT não fez?

A mesma mídia corrupta que fala no absurdo do triplex, que nem de Lula é, esconde que Moro, Rodrigo Janot e todos os procuradores que compoem a Força tarefa estão ganhando, às custas do contribuinte, o equivalente a um triplex, só que de luxo. São cerca de 10 salários mínimos por mês, para cada juiz e procurador, de todos os tribunais, e retroativo a 1988, a título de auxílio moradia e auxilio educação. Somando o total de 30 bilhões de reais!

Os trabalhadores tem que fazer greve para melhorar os salário e as condições de trabalhos. Os petroleiros fizeram greve de 21 dias com desconto dos dias parados e punições e só conseguiram a inflação do período.

Estava lendo a queixa de uma mãe contra a decisão de uma juíza que negou a retroatividade da pensão alimentícia da filha. Mas retroagir essa excrescência para juízes e procuradores pode?

E o MPF Aínda quer ampliar seu poderes com as dez medidas contra a corrupção. Deus nos defenda!

Rodrigo Janot, que foi reconduzindo ao PGR pela Dilma, arquivou a primeira denúncia contra Aécio na lava Jato e contra Antonio Anastasia e agora, diante da segunda denúncia contra Aécio, também na Lava Jato, disse que vai analisar depois do recesso e até agora não se manifestou.

Alem da blindagem, na Lava Jato, aos tucanos, o mais grave é que o juiz Moro, mesmo diante de tantas denúncias em delação de corrupção, referente ao governo de FHC na Petrobrás, e nem FHC reconhecendo que havia corrupção em seu governo em livro, nem assim há investigação.

A mídia que denuncia o triplex de Lula, as pedaladas de Dilma e os desgovernos do PT se cala diante do maior trem da alegria da história de juízes, promotores e afins. Em contrapartida, a justiça não investiga os crimes das empresas de comunicação como a lavagem de dinheiro nas contas da Suíça que envolvem Globo, Band, Folha, Grupo RBS, Editora Abril responsável pela VEJA etc.

Diante de tantas denúncias de grampos, vazamentos seletivos, blindagem de tucanos, falta de acesso aos advogados de Marcelo Odebrechet a depoimento que favorece o réu, inclusive negando sua participação em negociata. Com todas essas transgressões à lei, o  Juiz Sérgio Moro diz que advogados da Lava Jato abusam do direito de defesa.

Vale lembrar ao juiz Moro o art. 6º e 7º do Estatuto da advogacia: OS DIREITOS DO ADVOGADO: NA RELAÇÃO ENTRE ADVOGADO, JUIZ E MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NÃO HÁ HIERARQUIA NEM SUBORDINAÇÃO, TODOS DEVEM TRATAR-SE COM CONSIDERAÇÃO E RESPEITO RECÍPROCOS.

E O ADVOGADO NÃO DEVE JAMAIS TEMER DESAGRADAR AO JUIZ.

*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).