18.2.16

EU ACREDITO NO JUIZ SERGIO MORO

EMANUEL CANCELLA -

Eu acredito em Moro como juiz da Globo, do PSDB e a serviço da entrega da Petrobrás! Moro, assim como o ministro Joaquim Barbosa, receberam o prêmio da Globo como “Homem que faz a diferença”.  Ambos os juízes estão a serviço do PSDB, pois tanto no mensalão como na Lava Jato nenhum tucano foi convocado,  julgado ou preso. Na Ap 470, conhecida como mensalão, os crimes dos tucanos foram anteriores ao do PT e nem sequer foram julgados e estão prescrevendo.

Na lava Jato, vários senadores do PSDB foram citados como Antonio Anastasia, Aécio Neves (duas vezes), o falecido Sérgio Guerra e Aloysio Nunes; e  o governo de FHC na Petrobrás, citado em várias delações, e ainda com o reconhecimento do próprio FHC, que em seu livro afirma que havia corrupção na Petrobrás. E, mesmo com tudo isso, nenhuma ação na Lava Jato contra os tucanos!

Moro quer entregar a Petrobrás, pois se não bastasse fazer de tudo pra desmoralizar a empresa, chamou os procuradores americanos para vir investigar a Petrobrás por conta da corrupção, o que forneceria a eles provas para entrarem com ação contra a empresa brasileira. Logo eles, que estão doidos para levar nosso pré-sal, pois só têm petróleo para três anos. Para ser  coerente, Moro mandar os procuradores brasileiros investigarem a petroleira Chevron americana, denunciada em 2009, pelo Wikeleaks, na troca de telegramas entre executivos da Chevron e o senador Jose Serra, no sentido de favorecer a empresa americana e prejudicar a Petrobrás. Moro, além de prejudicar a Petrobrás, legitimou a espionagem americana.

A Globo, que premiou os dois juízes,  sempre fez campanha para entregar a Petrobrás, tanto que, na década de 90, quando FHC tentou privatizar a empresa, a Globo, em campanha maciça na mídia, comparava a Petrobrás a um paquiderme e chamando os petroleiros de marajás. A resposta da Petrobrás veio com o desenvolvimento de tecnologia inédita que permitiu a descoberta do pré-sal, que os críticos diziam que estava adormecido no fundo do mar, entretanto o pré-sal já produz mais de hum milhão de barris por dia,  o suficiente para abastecer juntos todos os países do Mercosul. Mesmo assim, a Globo teve a cara de pau de publicar em editorial: “O pré-sal pode ser patrimônio inútil”.

Voltando à Lava Jato, a mentira tem sido uma arma dessa Operação: o próprio juiz Sérgio Moro foi autor da mentira vazada para imprensa com provável intuito de desgastar o governo Dilma de que faltaria dinheiro para operação Lava Jato. “PF nega falta de recursos na sede da Lava Jato” O Popular, 10/01/2016 06:01.

Outra mentira também, na véspera da eleição, plantada na mídia, vazada diretamente da Lava jato de que Lula e Dilma saberiam da corrupção na Petrobrás. Vide anexo.

O Lava Jato, além dos grampos ilegais, vazamento seletivo, prisões arbitrárias, blindagem aos tucanos, é um antro de contradições. Além do juiz Moro e suas derrapadas; os delegados que compõem a operação fizeram campanha para Aécio Neves, e chegaram a chamar Lula e Dilma de anta, em blog de campanha. E todos os procuradores, que compõem a força tarefa da Lava Jato, fizeram campanha contra o procurador Geral da República, Geraldo Brindeiro, nomeado por FHC, que engavetava todas as denúncias. Por não conseguir investigar nada, nesse período, esse grupo de procuradores  se denominava “Tuiuiús”, pássaro do Pantanal do Mato Grosso que não consegue levantar vôo. Hoje esse grupo compõe a Lava Jato e, podendo investigar a todos, blinda os tucanos.

Aliás, é bom lembrar que, nos governos do PT, foram criadas as condições para que, pela primeira vez, corruptos e corruptores estão indo para a cadeia. Isto é muito bom! Pena que os piores corruptos estejam ainda blindados!

Diante de todo esse quadro, eu afirmo que acredito no Juiz Sérgio Moro, mas como juiz da Globo, do PSDB e a serviço da entrega da Petrobrás.

Fonte: Mentira contra Lula e Dilma Lula: http://jornalggn.com.br/noticia/a-informacao-que-pode-elucidar-a-fala-de-youssef-e-a-edicao-de-veja-contra-dilma-e-lula

*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).