24.2.16

NO REALITY SHOW DA LAVA JATO, JAPONÊS DETONA MORO E A OPERAÇÃO

EMANUEL CANCELLA -


Para diminuir sua pena, Japonês, da PF, faz delação premiada. O agente federal Newton Ishii, o Japa, que em 2003, foi preso pela própria PF na Operação Sucuri, suspeito de integrar uma quadrilha que fazia contrabando, foi acusado de corrupção e expulso da corporação, mas depois reintegrado. Responde a processos criminal e civil, além de uma sindicância.

Japonês, que é o símbolo da operação e constante nas ações da Lava Jato, para colaborar com a justiça, no sentido de diminuir sua pena, propôs que, na força tarefa da Lava Jato, tenha pelo menos um delegado da PF ligado ao PT, pois todos os delegados que compõe a operação fizeram a campanha de Aécio Neves, com o agravante que chegaram a chamar no blog da campanha, Lula e Dilma de antas.

Japonês também defende que os vazamentos da operação contemplem outros órgãos da imprensa, não somente monopólio da Globo.

Ele também sugeriu que os tesoureiros de outros partidos delatados também sejam presos. Segundo Japonês, é um absurdo que só o tesoureiro do PT esteja preso.

Japones defende o mesmo tratamento aos marqueteiros, pois, se vão investigar e prender João Santana do PT, também terão que investigar os de outros partidos. Segundo Japonês, é um absurdo achar que o dinheiro da campanha do PT é propina e, dos outros partidos, simples doações.

Japonês considerou um absurdo que a Lava Jato tenha convidado os procuradores americanos para investigar a corrupção na Petrobrás, o que, para ele, se assemelha a legalização da espionagem. Para melhorar a imagem da Lava Jato, neste episodio, japonês sugere que o juiz Moro mande os procuradores brasileiros investigarem a petroleira americana Chevron que, em 2009, foi citada pelo Wikeleaks na interceptação de troca de correspondência onde, o então candidato a presidência tucano, José Serra, prometia favores a petroleira americana em prejuízo da Petrobras.

Japonês também falou da prisão do almirante, Othon Luiz Pinheiro da Silva, pai do submarino atômico, cuja a principal tarefa é proteger o pré-sal, porém, as obras deste submarino estão praticamente paralisadas. A lava Jato  também prendeu o presidente da Odebrechet que também é fabricante de míssil de longo e curto alcance.

Japonês começa a se preocupar por que setores da sociedade começam a achar que a Lava Jato é braço da CIA. A operação extrapola de seu objetivo que é fiscalizar a Petrobrás e convoca os procuradores americanos para investigá-la, paralisa a construção do submarino atômico e impede a Odebrechet de continuar a desenvolver e produzir para as nossas forças armadas mísseis.

É preciso que fique claro que todo esse aparelho bélico não é para a guerra é para a chamada política de persuasão. países como os EUA não reconhecem nossos limites marítimos onde se encontra grande parte do pré-sal. Quando a Lava Jato chama os procuradores americanos, prende o almirante e paralisa a construção dos misseis está servindo a que governo? Ao Brasil ou dos EUA?

Com relação aos procuradores da operação, japonês sugere incluir na força tarefa pelo menos um procurador que seja crítico ao auxilio moradia e educação que vão colocar no bolso dos juízes e procuradores, o correspondente a cerca de 10 salários mínimos por mês retroativo a 1988, num total de R$ 30 bi, pago pelo contribuinte num país em crise.

Japonês espera, com a contribuição a justiça, diminuir substancialmente sua pena. E o autor do texto como qualquer cidadão se arvora no direito de mentir já que o chefe da operação Lava Jato, juiz Sérgio Moro mentiu num claro intuito de desgastar o governo Dilma, quando vazou para a imprensa que faltava dinheiro na PF para operação Lava Jato, no que foi prontamente desmentido pela própria PF que disse a imprensa que na instituição havia dinheiro de sobra.

O chefe da operação Lava Jato, juiz Sérgio Moro também é responsável pela mentira que circulou na imprensa na véspera da eleição presidencial, que diz que Lula e Dilma sabiam da corrupção na Petrobrás, sendo que o próprio advogado do pseudo delator disse que era mentira.

Como todos somos iguais perante a lei, se o juiz Sérgio Moro mentiu e nada aconteceu eu também, como cidadão, me dou ao direito de mentir. Não sobre os fatos citados no texto que assino embaixo mas sim sobre a delação do Japonês!

*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).