24.2.16

O PIOR É QUE NÃO HÁ QUE FAZER

CARLOS CHAGAS -

Quanto mais explodem denúncias de corrupção ou participação de gente ligada ao governo, ao PT e a penduricalhos, mais se estreita o círculo onde, culpada ou inocente, isola-se a presidente Dilma. O último a integrar  a quadrilha é o marqueteiro João Santana, acompanhado da esposa, ambos com prisão preventiva decretada, tendo recebido centenas de milhões de reais e de dólares no mesmo circuito podre lá de fora.  Não apenas a Petrobras e as empreiteiras servem de fonte para irrigar o pantanal em que se transformou o país. Governos estrangeiros participam da farra, em especial da América Latina Latina, com ênfase para a America Central, mas também da África.

Sem esquecer bancos e tamburetes sediados na Europa, em paraísos fiscais e na Ásia. Uma  ciranda que cobre o planeta, estendendo tentáculos pela China, a Rússia, o Japão  e onde pareça  mais  propício ao faturamento criminoso.   Negócios lícitos   misturam-se aos sujos, estabelecendo-se estranha parceria  entre a truculência, a esperteza e a honestidade. Sem deixar de fora o crime organizado, porque no fim dá tudo na mesma.

Ninguém escapa, sequer as religiões,  as ideologias, os partidos,  a História. O vencedor escreve a vitória que o tempo quase sempre confirma, tornado-se tempo perdido imaginar definitivos os ciclos agora vividos. Tudo indica a continuidade  dessa experiência malograda, mas garantir quem há de? Não poderia um reverter e envolver  um retorno aos princípios da fundação do PT?

Em suma, parece difícil, quase impossível, que o governo Dilma dê certo,  com três anos abertos na mesma trajetória e,em especial, sem ter apresentado nenhuma alternativa.  Não haverá solução interna,  se a saída continuar na aceitação do desemprego  em massa, do aumento de impostos,   taxas  e tarifas,  da elevação do custo de vida, da diminuição  da qualidade do  ensino e da saúde pública, da ausência da segurança  do cidadão e tantas mazelas a mais conduzidas pela  égide da corrupção.

Pensar que venha de fora  para dentro algum milagre  salvador equivale a acreditar em Papai Noel.  Supor que iluminaremos o universo com  forças que não temos, será regredir.