15.2.16

POETAS E POESIAS DE ONTEM E HOJE

MARCELO MÁRIO MELO e LÊDO IVO -

O Cavalo
(Ledo Ivo)

No campo matinal


um cavalo assediado

pelo zumbir das moscas

mastiga avidamente,
o capim do universo.
Os insetos volteiam
no anel azul do mundo
– esfera sem passado
nos ares momentâneos.
Não há mitologia
espalhada na relva
que é verde, sem caminhos,
longe das longes terras.
E o cavalo sobrado
da inenarrável guerra
e da paz defendida
à sombra das espadas
mata a fome no campo
onde não jazem mortos
nem retroam clarins.
Sua crina estremece.
E seus cascos escarvam
a plácida planície
coberta pelos pássaros.
Já sem fome, relincha
para os céus que não guardam
as fanfarras e flâmulas
e a fumaça da História,
e se muda em estátua.

***
SEM PROMESSA
(Marcelo Mário de Melo)
Quando as mocinhas de recepção
me chamam de
“querido”
“amor”
e me desejam
“tudo de bom”
eu nunca ligo
pois sei somente ser
da boca para fora

mas quando você me promete
uma nesguinha
eu acredito
e fico aflito
prendendo o grito
feito menino
esperando o pirulito
por isso peço por favor
e sem demora
que não me faça mais
promessa não
nenhumazinha
porque assim
não mais espero
nem desespero
piscando
minutos no olho
e tudo restará de boa
não fico esperando à toa
e vamos experimentar então
o amor sem promessa
nem aflição
Portanto a partir de agora
fique atenta
a todo momento
pra não fazer promessa
por esquecimento.