31.3.16

A ABI E O MOMENTO ATUAL [VÍDEOS]

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND - Via Direto da Redação -

2013 foi um ano de muitos eventos e atos realizados pela Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da ABI. Ainda contávamos com o valoroso presidente Maurício Azêdo no comando da entidade. Esse ato ocorreu em fevereiro daquele ano - que viria a ter seu ápice com as Jornadas de Junho - e contou com a participação de muitos atingidos pela privatização do Complexo do Maracanã. Presentes centenas de estudantes, atletas, indígenas, torcedores, comunidade local, parlamentares, militantes dos movimentos sociais, coletivos, artistas, jornalistas, etc. Na foto, Mário Augusto Jakobskind e Daniel Mazola, respectivamente naquele momento presidente e secretário da Comissão. Ao final veja os vídeos desse evento (Redação)
Em anos anteriores a ABI, sob o comando de Barbosa Lima Sobrinho e mais recentemente Maurício Azêdo, participava ativamente da vida nacional.

Com Barbosa Lima Sobrinho, o protagonismo da entidade foi bastante firme, tendo inclusive participado da mobilização que culminou com a renúncia do então Presidente Fernando Collor de Mello que estava para ser impedido pelo Congresso.

O jornal da ABI na gestão de Maurício Azêdo foi considerado por muitos jornalistas e intelectuais, um deles o escritor Aguinaldo Silva, como o mais importante veículo alternativo do país.

O que nós, associados da ABI queremos é que a Casa dos Jornalistas volte a ter protagonismo histórico com participação ativa nas questões nacionais e de defesa dos interesses dos jornalistas brasileiros, o que nos últimos anos não tem acontecido em função da gestão atual capitaneada por Domingos Meireles, que resultou no esvaziamento da entidade.

Queremos também que o Jornal da ABI volte a ser o órgão de imprensa da importância que conseguiu ter durante a gestão de Maurício Azêdo.

Nesse sentido, conclamamos a todos os associados da ABI a enredar esforços no sentido de reabilitar a Casa dos Jornalistas.

E isso precisa acontecer o mais rápido possível, porque a persistir a atual situação de enfraquecimento da entidade, a ABI corre sérios riscos para num futuro não muito distante ficar irremediavelmente para trás.

Seguir sendo linha auxiliar da mídia conservadora sob a chancela do atual presidente da entidade, Domingos Meireles.

É o que ninguém quer, até porque diante do momento que o País atravessa, no nosso entender de suma gravidade, é importante o retorno do protagonismo da ABI.

E para que isso aconteça é preciso deixar de lado as divergências que levaram a ABI a uma situação de inoperância.

Neste momento em especial, enredar o máximo de esforços no sentido dos associados da ABI se posicionarem contra o golpe midiático, judicial e parlamentar em andamento, que se não for impedido levará o Brasil a uma longa noite escura de retrocesso político e social.

A hora é esta, nós, jornalistas, não podemos silenciar diante do que vem sendo feito pela mídia conservadora, algo que envergonha os brasileiros.

*Mário Augusto Jakobskindjornalista e escritor, colaborador da TRIBUNA DA IMPRENSA ONLINE, correspondente do jornal uruguaio Brecha; membro do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (TvBrasil). Consultor de História do IDEA Programa de TV transmitido pelo Canal Universitário de Niterói, Sede UFF – Universidade Federal Fluminense. Seus livros mais recentes: Líbia – Barrados na Fronteira; Cuba, Apesar do Bloqueio e Parla , lançados no Rio de Janeiro.