31.3.16

NEM GOLPE E NEM A POLÍTICA DIREITISTA

ANDRÉ DE PAULA -

A FIST gostaria de ter motivos para defender o governo Dilma, uma vez que ele pertence ao partido criado pelos trabalhadores. Contudo, seu governo não promoveu a reforma urbana, não promoveu a reforma agrária, assentando menos camponeses que os governos da direita ‘puro sangue’ militar e tucanos.

Não cassou a rede globo que faz lavagem cerebral e mente 24 horas por dia. Não fortaleceu a TV Brasil para, pelo menos, se contrapor ao massacre midiático da direita. Estas atitudes são plenamente possíveis dentro do quadro da democracia burguesa, vide os governos Bolivarianos, que estatizaram as petroleiras, promoveram reforma agrária e urbana, e fizeram intervenção na mídia golpista.

A FIST se insere num campo político de oposição de esquerda aos governos que estão aí, que servem aplicadamente ao capital enquanto bem administram seus fabulosos lucros e, ao mesmo tempo, cumprem o papel de bombeiros da luta de classes. Portanto, não participamos de manifestações de apoio a Dilma nem a Lula, e também não participamos dos atos pró- golpe, que quer substituir o atual governo por um outro mais eficiente ao capital, para acelerar e aprofundar a pauta neoliberal.

Infelizmente, a conciliação do PT criou uma correlação de forças desfavorável para os trabalhadores. Seja qual for o governo que resulte dessa crise política do regime da democracia burguesa – em verdade uma ditadura das classes dominantes – será contra os trabalhadores, seja ele alguma forma de parlamentarismo com Dilma (como uma caricatura de rainha da Inglaterra) ou a posse do vice-presidente para completar o mandato em nome da já selada coligação PMDB/PSDB.

Na verdade, toda essa movimentação pró ou contra Dilma é uma cortina de fumaça para encobrir o vergonhoso acordo feito pelo governo e pelos tucanos para entregar vergonhosamente o nosso petróleo. A crise da Petrobrás, ainda dentro dos marcos do capitalismo, poderá ser resolvida pela China e o Banco do BRICS que estão dispostos a comprar petróleo da Petrobras, esperando até 2025 para receber o ouro negro. Além disso o barril do petróleo voltará, em breve, ao seu preço real.

Somente a Petrobras tem condições de explorar o petróleo, pois é a única que tem tecnologia para a descoberta em águas profundas.

O que é preciso acontecer é a sua completa estatização, com o controle dos trabalhadores para impedir a corrupção.

Faz-se necessária a retomada dos campos leiloados e o fim de qualquer outro leilão, assim como o fim da venda dos ativos da Petrobrás.

O projeto de Serra é crime de alta traição uma vez que ele tem consciência de que está entregando a nossa soberania.

Ao abrir mão de seu tímido projeto, aliando-se ao projeto do senador tucano, tentando se manter no poder pelo poder, Dilma também comete crime de lesa-pátria. Se a presidente tem ainda um mínimo de comprometimento com o país, terá que voltar atrás e vetar no congresso o que foi aprovado no Senado.

Nossa luta é pela aprovação do projeto dos movimentos sociais. No mais, estamos contra o golpe, mas também contra a posição da Globo, dos tucanos e dos setores mais reacionários como Bolsonaro e sua quadrilha.

Urge uma terceira via que ao que parece não se dará pela forma de escolha que temos atualmente com financiamento de campanha e outras barbaridades. Reafirmamos mais uma vez, que a saída é o socialismo, com trabalhadores sendo os donos dos meios de produção.

Estaremos no ato do dia 1º de abril com nossa bandeira, com o que achamos correto, tirado democraticamente em uma assembleia.

NEM GOLPE, NEM A POLÍTICA DIREITISTA DE DILMA!

Coordenação da FIST
Frente Internacionalista dos Sem Teto