25.3.16

PERDE-SE TEMPO COM OS 200

CARLOS CHAGAS -


Supondo-se que 200 políticos integrem o Departamento de Propinas da Odebrecht, não seria preferível que os encarregados  da investigação divulgassem logo seus nomes e os respectivos benefícios oferecidos a cada um? É princípio  salutar de Direito que o ônus da prova cabe a quem acusa, mas se foi a própria empresa que resolveu expor suas entranhas, liberando as listas para a Polícia Federal e o Ministério Público, nada mais salutar do que estes  divulgarem a relação completa em vez de ficar dia  a dia  criando suspense. Soltem logo  a relação dos corruptos,   com a  cautela de esclarecer que ela foi distribuída  pelos corruptores. Quanto cada um recebeu? Quantas vezes? Em que períodos?

Continuando essa novela sendo apresentada aos capítulos e supondo-se que muitos dos 200 receberam propinas na forma de doações  legítimas, de acordo com a lei, melhor seria permitir que todos se defendessem.  Até agora estabeleceu-se um denominador comum pautado pelas  falcatruas, quando se sabe que nem todos atravessaram a linha tênue do ilícito.

Para começar, deveriam ser expostos todos os nomes dos dirigentes da Odebrecht envolvidos nas operações. Não apenas os que autorizaram a distribuição de recursos,  sua origem e a forma de como viabilizaram as doações, como também os critérios para a  escolha dos favorecidos.   Seria um alívio até para os culpados, como  meio de livrar a consciência dos inocentes.   A partir daí funcionariam o direito de defesa e a respectiva atuação dos defensores do poder público.

Verifica-se na população  o anseio de saber  quais políticos se envolveram nas lambanças. Referir que foram 200, sem particularizá-los, não é justiça, mas sua distorção. Podem ter sido menos. Ou mais.

Ao mesmo tempo, abre-se outra dúvida: quem vai julgar o juiz? Na multidão de investigadores, policiais, procuradores e carcereiros, quantos participam de desvios, distorções  e   acobertamentos? Onde se localizará o Departamento dos Coniventes?

Uma evidência não pode ser omitida: também há bandidos do outro lado. Identificá-los é tão necessário quanto apontar os beneficiados pela roubalheira. Esticar  sua culpa parece tão criminoso quanto cultivar a leniência.

Em suma, perde-se tempo. Enrola-se o processo de apuração, sabe-se lá em nome de que objetivos.  Aliás, sabemos muito bem.