29.3.16

PREFEITURA DO RIO SE NEGA A COMPARECER EM DEBATE PÚBLICO SOBRE TRANSPORTES E USUÁRIOS MOSTRAM O CAOS DA “RACIONALIZAÇÃO” [VÍDEO]

ROGER  MCNAUGHT -


Logo após o feriado da semana santa, a segunda feira foi marcada por um debate público na câmara de vereadores do Rio. Sugerido e conduzido pelo vereador Leonel Brizola Neto (PSOL), o debate abriu espaço para que moradores e usuários de todo o Rio de Janeiro demonstrassem sua insatisfação com a segregação implementada pela suposta “racionalização” das linhas de ônibus por toda a cidade.

Contando com a presença de movimentos como “quero meu ônibus de volta” e movimentos de direitos do idoso, o debate contou também com a presença de representante do Ministério Público que assim como todos lamentou a recusa da prefeitura e órgãos competentes em participar do debate.

Afim de democratizar o debate, as falas foram intercaladas, para que todos pudessem expor seus pontos de vista sem priorização de nenhum dos presentes, estivessem compondo a mesa ou não.  Imediatamente os efeitos negativos da política de transportes públicos da prefeitura começaram a ser expostos por usuários de toda a cidade, da zona sul à zona oeste.  Idosos demonstraram sua insatisfação com o aumento do tempo de espera e do desconforto em utilizar o transporte público, trabalhadores demonstraram a ineficácia do sistema de bilhete único em face de trechos que requerem mais de duas baldeações, onde o bilhete único cobre apenas duas, tudo isso aliado à total precariedade dos ônibus de diversas linhas.

Outro fator bastante abordado foi a segregação causada pela extinção e pelo encurtamento de linhas, que impede o acesso de pessoas de várias áreas do Rio às praias da zona sul em seus finais de semana. Conforme o debate avançava, era nítido o consenso de que tais mudanças foram feitas com base em outro planejamento, estranho às necessidades da população.

Ao final do debate, o vereador Leonel Brizola Neto anunciou que a súmula dos depoimentos e falas seria formalizado em documento a ser enviado ao Ministério Público e à Prefeitura, uma vez que a mesma parece não se importar em ouvir o que a população tem a dizer no cotidiano da cidade.

Vale ressaltar que esta iniciativa foi apenas uma das muitas que serão realizadas neste ano, já que estamos em ano eleitoral e fica óbvio que a atual administração da prefeitura irá fazer de tudo para distorcer a realidade em seu favor e em favor de uma cidade inóspita para a população.