11.3.16

SUGESTÃO COM BASE NUMA CRIAÇÃO DO SAUDOSO STANISLAW PONTE PRETA

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


A cobertura dos últimos acontecimentos no Brasil e no mundo não mais escondem a manipulação da informação, que em alguns momentos beira o ridículo e serviría de manancial para o saudoso jornalista Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta. Se estivesse ainda entre nós, provavelmente abastecería o Festival de Besteiras que assola o país (Febeapá) com uma série de mancadas.Vejamos então exemplos concretos que confirmam o que foi dito.

Quando o Papa Francisco visitava o México e, antes um pouco, ao se encontrar, em Havana, com o Patriarca da Igreja Ortodoxa russa Kiril (ou Cirilo, como preferem alguns), um jornalista da Rede Globo, em Nova York saiu, sem se envergonhar, com o seguinte comentario: “o Papa Francisco pode estar sendo manipulado pelo Presidente russo, Putin, segundo se comenta”. O cara pálida não explicitou quem comenta.

Alguém tem dúvidas que o exposto pelo repórter é ou não digno de um Febeapá? Preferível nem citar o nome do referido, pois ele  apenas provavelmente seguiu recomendação da editoria da emissora.

Ainda na área internacional, o portal UOL “informou” (entre aspas mesmo) que na Venezuela o governo justificava a falta de pastas de dentes por lá pelo fato de os venezuelanos escovarem e os dentes demasiadamente a cada dia.

Poucas horas depois veio a informação (desta vez sem aspas) segundo a qual a UOL baseou o divulgado por um site humorístico venezuelano, Ou seja, o humor acabou virando uma notícia séria. Pegos em flagrante (delito) pelo tamanho do Febeapá, algum tempo depois a UOL teve de admitir o erro, mas o fez de uma forma desproporcional, ou seja, sem o mesmo destaque da “informação” primeira.

Por enquanto são citados dois fatos, mas se fosse feita uma pesquisa mais aprofundada, pelo menos desde o início deste ano de 2016, é bem possível que se encontrariam outras menções dignas do Febeapá.

Nesse sentido, sugere-se desde já, a instituição desta nova série criada pelo genial Stanislaw Ponte Preta, que daria e proporcionaria grandes risadas pelo besteirol reinante na mídia conservadora.

E isso se dá pelo afã dos editores em seguir orientações de agrado do patronato midiático, que a cada dia se consolida como partido político defensor dos valores mais conservadores do espectro político. E tudo isso com o respaldo da  SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), a entidade que reúne o patronato conservador das Américas. Esta, toda vez que se contesta a manipulação da informação da mídia conservadora, ataca com o argumento de que se atenta contra a liberdade de imprensa.

Por estas e muitas outras, com a vênia do criador Stanislaw Ponte Preta, sugere-se a criação imediata de um Febepá voltado para as mancadas que beiram o ridículo, protagonizadas pelos jornalões, impressos e na web, e telejornalões.

Para que o concurso se torne mais dinâmico fica ainda a sugestão no sentido de este espaço jornalístico recolher informações dos leitores que sirvam de exemplo para concorrer.

Gostaram da ideia?

E, para finalizar, outra pergunta que não quer calar: que fim levaram as acusações da jornalista, ex-Rede Globo, Miriam Dutra contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso? Não seria o caso de uma investigação mais aprofundada sobre o que foi dito pela jornalista sobre remessa, por parte de FHC, para ela de   milhares de dólares, via empresa Brasif, na época da remessa, de propriedade da família Bornhausen?

Ah, sim, o Diário do Centro do Mundo divulgou informação ignorada pela mídia conservadora segundo a qual o ex-presidente FHC é o verdadeiro proprietário de dois apartamentos, um em Nova York e outro em Paris, que estão em nome de um laranja ligado a Cardoso. Disse a denunciante, a jornalista, ex-Globo. Miriam Dutra, que seu filho Marcelo, que ela diz ser o pai o ex-presidente, fica no apartamento sempre que vai às referidas capitais.

Quem leu o livro “Número Zero”, de Umberto Eco possivelmente vai entender melhor como funciona, em várias partes do mundo, o esquema da manipulação da informação. Aí não vai ter SIP ou entidades do gênero para afirmar que saudoso Eco atentou contra a liberdade de imprensa.