17.4.16

AÇÃO GLOBAL CONTRA A PRECARIEDADE DE TRABALHO DO MCDONALD’S REÚNE MILHARES DE TRABALHADORES E DIRIGENTES SINDICAIS NA AVENIDA PAULISTA

Via FETRHOTEL -

Diretores da FETRHOTEL participaram da Ação Global em Defesa dos Trabalhadores de Fast Food, realizada no último dia 14, na Avenida Paulista, em São Paulo. No final da mobilização o presidente da Federação, Cícero Lourenço Pereira entregou um documento contendo denúncias contra as empresas ao Superintendente Regional do Trabalho e Emprego de SP, Luiz Claudio Marcolino.



“A partir das denuncias feitas pelas Centrais Sindicais vamos intensificar a fiscalização em todas as lojas do McDonald’s. Já fizemos uma ação no passado que detectou alguns problemas e foi feita uma cobrança para regularização. Agora, diante dessas novas denúncias faremos outras fiscalizações”, disse o superintendente.

Durante o percurso o presidente da FETRHOTEL denunciou diversas irregularidades cometidas pelas empresas McDonald’s. Entre elas, a jornada móvel variável e os baixos salários pagos a jovens trabalhadores.

Ao lado de Cícero estava o tesoureiro- geral da e o diretor da Federação Antonio Luiz de Souza (Jandaia) e Elias dos Santos, respectivamente.

O deputado estadual Carlos Gianazzi se juntou aos dirigentes sindicais durante o protesto e disse que a população não sabe que ao consumir um hambúrguer no McDonald’s está fortalecendo o trabalho escravo, degradante, que compromete a vida de jovens que estão iniciando sua vida profissional.

“ As pessoas não sabem que, por trás desse lanches, há toda essa exploração. Esta manifestação é um ato de conscientização da sociedade”, disse o deputado.

O protesto, organizado pela SEIU ( Service Employees International Union), contou com o apoio de diversos sindicatos e centrais sindicais. A ação foi realizada simultaneamente em 40 países e outras cinco cidades brasileiras que lutam por condições dignas de trabalho no setor. O ato começou por volta das 10h e terminou por volta das 14h.

Manifestantes ocuparam as duas faixas da Avenida Paulista, na região central de São Paulo, desceram pela rua da Consolação e pararam na Rua Martins Fontes, em frente ao prédio do Ministério do Trabalho Emprego e Previdência Social.

Nesse local eles colocaram fogo num caixão onde, simbolicamente, estava Ronald McDonald detentor da marca McDonald’s.

O Ministério Público Federal em São Paulo abriu um inquérito civil para investigar uma série de denúncias contra a Arcos Dorados, empresa que controla as operações do McDonald’s no Brasil. O órgão vai analisar a suspeita de práticas como a concorrência desleal, violação de leis antitruste e sonegação fiscal.