5.4.16

O amanhã como será? É o que se tenta desvendar, descobrir, decidir, na operação do impeachment

HELIO FERNANDES -


O "Estadão" deixou apreensiva e preocupada a cúpula a favor da derrubada da presidente. E estragou o fim de semana de muita gente. Motivo: as inúmeras reuniões convocadas apressadamente. O jornal divulgou que encontrou 261 deputados dispostos a votar a favor. Como precisam irrevogavelmente de 342, ficam faltando 81. Nesse calculo de 261 já estão colocados todos os subterfúgios, manobras, jogadas que deixam longe o compromisso com a ética e até da legitimidade.

Para os que votarão contra o impeachment, o jornal registra 117 votos, precisariam por tanto de mais 55. Mas existe um fator, não avaliado e não registrado por ninguém. Os que defendem a saída da presidente, precisam obter os 342 votos. Se chegarem perto, digamos aos 341, estarão liquidados, o resultado do placar adversário não interessa mais, a derrota, irreversível.

O "Estadão" fez muito bem em desprezar a Comissão, partir para a análise direta no plenário. A Comissão é empulhada e dominada pelo corrupto Eduardo Cunha, que aparece em mais uma acusação de ligação com empresas com sede no exterior.

Essas empresas são legais, mas todas elas, suspeitas. Pelo menos 90 por cento dos clientes, manejam e movimentam dinheiro sujo. Na Comissão o domínio do presidente da Câmara é total. O PTB de Jovair Arantes foi beneficiado com o lugar de relator, e as instruções que recebe diretamente, e cumpre sem demora.

Outro petebista, Arnaldo Faria de Sá, é também áulico e apaniguado. Na quinta feira entrou no Supremo, pedindo que a "delação do senador Delcídio fosse incluída" na acusação. Isso já foi liquidado pela própria Comissão. Nem os que são a favor do impeachment, protestaram. Sabiam que o Supremo derrubaria, foi o que fez a Ministra Rosa Weber, assim que foi sorteada. Educada e competente, fulminou esse agente de Cunha.

O panorama visto da ponte da maior baixaria da Historia, é desolador, vergonhoso, criando precedentes perigosos. Ou como alertou lucidamente, o Ministro do Supremo, Luiz Barroso: "Meu Deus do Céu, essa é a nossa alternativa". A baixaria do governo, reprovável, mas cumpre as exigências desse espúrio sistema presidencialista- pluripartidário.

A chamada oposição, recorre para conseguir chegar ao poder, sem povo, sem voto, sem urna. Agora, querem até mudar o regime para Parlamentarista, com uma PEC de ocasião.

A euforia do quase Ministro Lula

Enquanto toda essa sujeira vai escorrendo, Lula não cansa de repetir: "Quinta feira serei Chefe da Casa Civil". Por que a certeza de que esse depois de amanhã, será tão certo e garantido?Tem se mostrado satisfeitíssimo com os resultados "eleitorais”, nas conversas que mantidas com deputados em massa. Dizem que assim que for (se for), nomeado Ministro, mudará imediatamente para a casa suntuosa reservada para o cargo. Acha que assim, seduzirá mais gente. È possível, é possível.

Advogado Geral da União: defesa escrita e defesa verbal da presidente

Eleito deputado federal em 2010, foi convidado por Dona Dilma para Ministro da Justiça. Publiquei imediatamente e com exclusividade sua resposta: "Presidente, minha formação e meu objetivo é o Supremo". Dona Dilma: "Você vai para lá, depois". Ninguém imaginava que surgissem tantas complicações. Nos primeiros anos, silencioso, depois hostilizado de dentro do próprio governo.

O então Advogado Geral foi para os EUA, José Eduardo Cardoso aproveitou, trocou de cargo, que sucesso. Ontem informei: a defesa escrita de Dona Dilma está sendo redigida por 4 juristas, assessorados por dois economistas do primeiro time. Estão prontas, domingo, 20 laudas.

O Advogado Geral da União, defesa escrita e verbal da presidente

José Eduardo Cardoso protagonizou uma sessão histórica e não histérica, como tem sido até agora. Irrepreensível, irrefutável, irrevogável, dominou o plenário. Foi incisivo, persuasivo, destrutivo, definitivo, todo o auditório ouviu-o atentamente. (Só uma vez, aos gritos, um idiota tentou interrompê-lo. Foi rechaçado e advertido imediatamente pelo isento e competente presidente: "O senhor não tem o direito de se manifestar, o Advogado está falando em nome da Presidente. O aparteante compreendeu logo que um idiota calado é melhor do que um idiota falante.Calou para sempre).

Falou exatamente 100 minutos, de 17,16 a 18,56. Terminou pedindo a nulidade do processo por mais de 20 razões que examinou exaustivamente. Se a oposição, que tanto fala em "atender ás manifestações das ruas", fosse sincera e competente, compreenderia. Seria a melhor prova de atendimento e respeito ao povo, que estaria sendo introduzido no processo pelo voto.

Como a própria oposição está com ações, varias, no TSE, pedindo a cassação da chapa, que o TSE atenderá para bem do país, todos seriam beneficiados. Haveria eleição dentro de 90 dias, com o voto secreto, universal e direto. Não ficaria pior do está ou do que estará, depois desse impeachment abusivo, vingativo, criminoso. 
Faço a pregação dessa verdadeira solução, ha mais de 6 meses. Agora, defendida por gloriosos editoriais de primeira pagina.