8.4.16

SINPOSPETRO-RJ COMPLETA 11 ANOS DE LUTA EM DEFESA DOS TRABALHADORES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Via SINPOSPETRO-RJ -


Ontem foi dia de celebração, mas também de reflexão sobre o caminho que tomaremos para avançar nas nossas conquistas. O SINPOSPETRO-RJ foi fundado em 7 de abril de 2005 para acabar com décadas de exploração da mão de obra em postos de combustíveis no Estado do Rio de Janeiro. A luta para libertar os 30 mil trabalhadores da categoria, liderada pelo presidente e fundador da entidade, Eusébio Pinto Neto, ainda está longe de terminar. Mas a cada dia evoluímos e edificamos um pilar na construção de um futuro melhor com salários dignos e benefícios para todos os trabalhadores de postos e lojas de conveniência.

A categoria, antes submetida a exploração, hoje enfrenta os desafios de peito aberto e a cada vitória conquista o respeito da sociedade e a admiração do movimento sindical. A economia do mundo hoje gira em torno do petróleo, e os trabalhadores de postos estão no final dessa cadeia produtiva. Apesar de alavancarem as vendas, os funcionários que fidelizam os clientes e aumentam os lucros dos patrões não recebem nenhuma parcela dessa riqueza. Só com a união venceremos essa resistência e mudaremos essa dura realidade.

LUTA
O fim das cooperativas de mão de obra nos postos de combustíveis foi a primeira grande batalha vencida pela diretoria, que denunciou incansavelmente ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério do Trabalho e Previdência Social essa prática ilegal de contratação de funcionários. Com essa medida, o sindicato conseguiu reduzir a rotatividade da mão de obra no setor.

Para garantir melhorias salariais, o sindicato  conseguiu incluir em 2007 os frentistas e lavadores de carros na Lei do Piso Regional do Estado do Rio de Janeiro. Dessa forma, o SINPOSPETRO-RJ pode invocar a lei para fazer valer o pagamento do piso, em caso de impasse nas negociações salariais.

MULHERES
O trabalho da mulher é valorizado pelo sindicato que tem na sua diretoria quatro representantes das trabalhadoras de postos. O sindicato também lutou para pôr um fim na exploração e exposição das mulheres nos postos de combustíveis. O Rio de Janeiro é o único Estado do país que tem uma Lei,  que proíbe o uso de shortinhos ou uniformes que possam expor o corpo das frentistas. Além de acabar com assédio, a lei preserva a saúde das trabalhadoras. O uniforme completo protege o corpo em caso de contato com o combustível.

SAÚDE E SEGURANÇA
Um sindicato de verdade não luta apenas por melhorias salariais. O SINPOSPETRO-RJ sempre se preocupou com a saúde e a segurança do trabalhador. Por isso a entidade desenvolve vários projetos para conscientizar e orientar a categoria.

Antes de 2005, os trabalhadores desconheciam o risco do benzeno para a saúde. Hoje, além de participar de pesquisas específicas sobre o risco de contaminação dos trabalhadores pelo benzeno, o SINPOSPETRO-RJ realiza cursos sobre segurança e saúde para categoria.

APOSENTADORIA ESPECIAL
Para garantir a aposentadoria especial do trabalhador, o sindicato não homologa nenhuma rescisão trabalhista se o patrão não entregar o Perfil Profissiográfico Profissional (PPP). O documento é essencial para o frentista entrar com o pedido de aposentadoria especial, após 25 anos de contribuição para a Previdência Social.

CONQUISTAS ECONÔMICAS
Em todas as negociações, o sindicato conquistou para categoria aumento salarial acima da inflação. A cesta básica, reivindicação antiga dos trabalhadores, e a Participação nos Lucros e Resultados são benefícios conquistados pelo SINPOSPETRO-RJ. O sindicato também conseguiu estender o adicional de periculosidade a todos os trabalhadores de postos, inclusive de lojas de conveniência.  Antes o adicional de 30% sobre o salário só era pago aos funcionários que trabalhavam na pista.As mudanças, que para alguns parecem tímidas, são significativas para a consolidação da vitória da categoria.

Hoje consciente da importância do nosso papel para o fortalecimento da categoria, a diretoria comemora com todos os a trabalhadores mais um ano de resistência e liberdade.

*Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ.