14.5.16

A NÍTIDA IMAGEM DO GOLPISMO. WIKILEAKS REVELA: MICHEL TEMER FOI INFORMANTE DA CIA

ILUSKA LOPES -



As caras de pau, os sorrisos, as risadas, a ausência de negros e mulheres ou qualquer tipo de minoria entre os ministros escolhidos pelo conspirador vice-presidente Michel Temer em seu primeiro pronunciamento após assumir o lugar da presidenta eleita afastada não foram suficientes para escancarar o golpismo que permeia todo o processo de impeachment.


Pouco antes de sua fala, Temer sussurra com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o candidato derrotado por Dilma em 2014 que, desde então, não reconhece sua derrota e tenta derrubar a presidenta. Os motivos que levaram o tucano a estar tão à vontade ao lado de Temer neste momento – sendo que sequer cargo no novo governo tem – são, no mínimo, sugestivos.


Em tempo: José Serra (PSDB-SP), recém empossado ministro das Relações Exteriores e que foi outro tucano derrotado pela presidenta nas eleições, também esteve presente e entrou no governo sem ter sido eleito para tal. Durma-se com esse barulhinho...

Temer foi informante da CIA

O Presidente Interino Michel Temer foi informante da CIA, segundo informação divulgada pelo Wikileaks nesta sexta-feira (13) pelo Twitter.

Segundo a organização internacional, Temer mantinha constante comunicação com a Embaixada dos EUA no Brasil com uma troca de informações consideradas pela diplomacia americana como “sensível” e de uso oficial.

O documento divulgado pelo Wikileaks revela como é a relação entre Michel Temer e a CIA, e mostra que o comunicado foi enviado de São Paulo para o Comando Sul dos EUA, com informações sobre a situação política do Brasil durante o governo do Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em uma das mensagens filtradas datadas de  2006 foi identificado o seguinte informe:

“O Deputado Federal Michel Temer, presidente nacional do Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB, acredita que a desilusão pública  com o presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores – PT, proporciona  uma oportunidade para que o PMDB apresente seu próprio candidato para as eleições presidenciais de 2006” – diz o comunicado.

Acesse o documento no site do Wikileaks
*Informações do Wikileaks, Agência Petroleira de Notícias e Revista Fórum.