10.5.16

A POLÍCIA FEDERAL, NA CPI DA PETROBRÁS E DA CARF, TEM ATUADO À SEMELHANÇA DE MILÍCIAS

EMANUEL CANCELLA -


A força tarefa da Polícia Federal (PF), coercitivamente, convocou para depor o ex-presidente Lula e agora o ex-ministro Guido Mantega, que atuou no governo de Lula e Dilma. Motivo de protesto de vários juristas, já que Lula nunca se negou a depor e, com certeza, o ministro Mantega jamais se negaria a  fazê-lo. O fato vaza, como sempre, de forma seletiva, para o Globo, emissora considerada a principal articuladora do golpe, querendo destituir a presidente eleita pela maioria dos votos dos brasileiros, sem que a mesma tenha cometido crime de responsabilidade.

O mesmo se deu com o vazamento do telefonema de Lula e Dilma, operada por uma PF que mais se assemelha a uma milícia, tamanho o descabimento. È bom lembrar que o delegado Protógenes foi expulso da PF por ter vazado informações sobre o banqueiro Daniel Dantas, mas agora há vazamento toda hora e ninguém é punido.

Esses servidores vão alegar que essas coerções e esses grampos, de Lula, Dilma e membros do STF, foram por atendimento a decisão judicial entretanto, todos sabem que ordem ilegal não se cumpre e a PF teria que levar essa arbitrariedade ao ministro da Justiça, porém em nenhum momento se debelaram. Digo isso porque a instituição tem pessoas dignas que discordam dessa postura, inclusive publicamente se manifestaram, como exemplo o delegado aposentado e ex-presidente da Associação de Delegados da PF, Armando Coelho Neto: “Eu não acho que exista um combate à corrupção, existe uma guerra declarada ao Partido dos Trabalhadores”.O autor da frase,  ressaltou que “não sou PT”  e “não gosto de muita coisa no PT”.

A PF está sendo conduzida em ações nefastas que depõem contra a imagem da instituição, numa verdadeira conspiração contra o governo federal, ao que parece dirigida pelos delegados da força-tarefa da Lava Jato, ressaltamos, à semelhança da atuação de instituições criminosas, como a milícia. São funcionários e servidores pagos com os nossos impostos, que fizeram campanha eleitoral pelo candidato derrotado, o tucano Aécio Neves, tendo no blog inclusive pronunciado baixarias, chamando Lula e Dilma de “Antas”.

A sociedade exige da Polícia Federal uma atuação republicana, apartidária, que não persiga e nem proteja nenhum partido! Sob pena de essa importante instituição se desmoralizar e cair na execração pública!


*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).