14.5.16

DELAÇÃO PREMIADA: CABRAL RECEBEU MESADA COMO SUBORNO. OBRAS NO MARACANÃ E FAVELA DE MANGUINHOS ESTÃO NA DENÚNCIA

ALCYR CAVALCANTI -

Os executivos Rogério Nora de Sá e Clóvis Primo da construtora Andrade Gutierrrez denunciaram o ex-governador Sérgio Cabral de ter cobrado propina em obras do estádio do Maracanã e da Favela de Manguinhos. Na delação premiada na Operação Lava-Jato afirmaram que Cabral recebeu R$ 350 mil mensais e também recebido R$300 mil entre os anos de 2010 e 2011 como "contribuição". Os encontros dos executivos com o governador foram feitas nas dependências do Palácio Laranjeiras, o que pode agravar a situação. Estariam também envolvidos nas transações conforme os delatores Fernando Cavendish, da Delta Engenharia, Carlos Miranda que seria o operador e Wilson Carlos que representava o governador.


Há alguns meses atrás a "Operação Fair Play" da Policia Federal constatou irregularidades na construção de estádios para a Copa 2014 pela Odebrecht na Arena Pernambuco, Itaquerão e Maracanã.  O "Templo do Futebol"  após uma série de negociações, onde os maiores interessados não foram consultados passou para o domínio de um grupo que pouco aprecia a paixão nacional, o futebol e só visa o lucro. O estádio nasceu em uma época em que não havia uma corrupção generalizada e foi construído para durar séculos. Foram gastos muito mais sacos de cimento e aço do que normalmente deveria ser utilizado, ao contrário de obras que caem depois de mal feitas. Anos e anos depois de administrações mal sucedidas, com raras exceções corroeram a estrutura do "maior estádio do mundo" que inexplicavelmente para obedecer ao "padrão Fifa" passou de mais de 180 mil para 78 mil torcedores e passou a se chamar Arena.

Muito dinheiro se escoou pelo ralo e para o bolso de alguns espertalhões, obras e mais obras foram feitas com explicações que não convencem ninguém, com declarações estapafúrdias como a do então governador Cabral. "Uma obra desta magnitude pode enfrentar obstáculos imprevisíveis ao longo de sua execução", explicação  que deixa sérias dúvidas do superfaturamento orçada em R$ 705 milhões que rapidamente passou para mais de R$1bilhão e 200 milhões de reais e teve a ameaça de poder ter um aumento ainda maior.

A ligação entre o governador e Fernando Cavendish após a divulgação das imagens em Paris resultou em inquérito, mas foi arquivada pelo Ministério Público.