11.5.16

DILMA IGNOROU OS VILÕES DA NAÇÃO

ROBERTO MONTEIRO PINHO -

Estamos perplexos e indignados com o desfecho do sensacional e extraordinário impeachment show, protagonizado pelo Congresso Brasileiro. O fato é que essa hetero composição denominada de base de apoio a presidente, porém, sem um “núcleo duro” (o que ela nunca permitiu) para comandar as articulações, a levou para o cadafalso.

De fato o impeachment é político. Faltou a presidente, o feeling da negociação, exatamente o mesmo caminho caprichosamente percorrido por Lula, nos seus dois mandatos presidenciais. Ela conseguiu a ojeriza até mesmo dos seus mais próximos auxiliadores e apoiadores.

É absolutamente impossível governar até mesmo a sua casa, sem que exista harmonia, e no Planalto nunca houve até mesmo um resquício de entrosamento entre os Poderes, consequentemente sem o qual a nação fatalmente sucumbiria, e isso foi exatamente o que ocorreu.

A presidente Dilma Rousseff, um fenômeno da desavença, inventada pelo ex-presidente Lula da Silva, é a maior e diretamente responsável por essa insana situação em que o Brasil está mergulhado, desde a sua segunda eleição, quando afloraram toda sorte de desmandos, jamais visto na história da República.

Ela fez vista grossa na Petrobrás, BNDES e nas estatais. Se reelegeu. Enquanto Lula-lá fechou com Sarney, Antonio Carlos Magalhães e Fleury Filho e venceu duas eleições seguidas e ainda emplacou a sua afilhada. E ambos “não sabiam de nada”?

Dilma e Lula desmontaram o projeto de poder ”dos boquinhas do PT e aliados. Agora deveriam ser acionados por propaganda enganosa.

Desde o mensalão, um processo que se arrastou por anos, retrato da leniência de um judiciário retrógado, engessado e de explícita soberba. Os réus todos tidos como heróis da Pátria do governo Lula, desapareceram, na lama da própria improbidade e práticas criminosas. O “dedo duro” Roberto Jefferson, contribuiu para detonar o bunker do Lula - lá e boquinhas.
Por sua vez os quadros e os simpatizantes do Partido dos Trabalhadores, onde se inclui a Central Única dos Trabalhadores - CUT, por todo período de oito anos do governo Lula, e dos quatro anos do governo Dilma, demonstraram tamanho desapreço a comunidade, a ponto de propor um projeto de poder Um acinte aos milhões de brasileiros, cujo ideal é o trabalho honesto e apego ao nacionalismo.

Esse grupo, e os aliados eram os “donos da verdade”, arrogantes, perniciosos e corretores do “conto de fadas”, com produto social subsidiado e também superfaturado, vendido a nação como o mais perfeito modelo de governar.

Lula, Dilma e os criminosos a essa altura, por conseqüência dos seus atos, estão lado a lado no mundo dos desafetos da sociedade. A presidente por sua vez, alem da incapacidade e transloucada política, é uma desestruturada, cuja omissão é um dos seus maiores males.

Tudo começou na Petro, (Pasadena) e refinarias, quando a presidente era diretora, e andou por toda extensão desta roubalheira descarada que envolvem empreiteiras, fornecedores, bancos, agiotas, especuladores, doleiros e os muy amigos da Venezuela, Bolívia e Colômbia, chavistas, maduros e Cia, montaram a maior quadrilha do continente, uma espécie de “Abutre e Cia”, com o único propósito de enriquecimento com o produto sangrado dos cofres da suas nações.

Em meio a este turbilhão, os boquinhas do PT, que se achavam no ápice a ponto de ignorar o mundo exterior, amargam a fim do império tupiniquim. O preço maior quem está pagando é o trabalhador humilde. As cenas se renovam, enquanto agem no andar de cima, juristas, pensadores, a imprensa com sua mídia hegemônica e os arautos do direito.

Dizia-me ha pouco, um popular e mediano articulador político, “o impeachment é pouco pra essa gente”. É a voz da comunidade, que também entoa o mesmo. Na pequena redação da Tribuna online, digitava a coluna. Do outro lado da linha, um chamado, atendi. “Pinho escreve ai na sua coluna, que eles “não me representam”, perguntei: “que fala? desligou.

Era a voz do nada, que também não se expressar, poderia mandar um e-mail, mas prefere ficar no anonimato. É por isso que estamos nesta lama.

Horas depois o aloprado deputado Waldir Maranhão, vice de Eduardo Cunha na Câmara, anulava o impeachment, no dia seguinte, revogava seu Ato. O que teria ocorrido. Especula-se: Pasmem! Até Lula estaria por traz dessa reviravolta? Que república!!!

Os que “não nos representam”, fizeram jus a fama. Dilma sem curriculun político, Lula da Silva, “não sabia de nada”, Temer e Eduardo Cunha, este último a insanidade preocupante. 

O Congresso da corrupção explícita, o senado de Renan Calheiros, “um cidadão acima de qualquer suspeita”, e a mais alta Corte do País, tentando varrer sua leniência, e “decreta a “caça as bruxas”. Com a palavra os vozeirões do STF. E Maio não é o mês das bruxas, mas que elas existem, existem!