14.5.16

LOGO UM PAÍS INGOVERNÁVEL

CARLOS CHAGAS -


Durou pouco a temporada de euforia do novo governo diante dos desafios para recuperar o crescimento econômico e reduzir o desemprego. Na sua primeira entrevista depois de empossado, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sustentou a obrigação de ser dita a verdade diante das dificuldades e empecilhos que levaram a economia nacional ao fundo do poço.

A consequência, que ele apenas sugeriu, será o aumento de encargos à sociedade. A partir de segunda-feira começarão a ser definidas as medidas de contenção de gastos públicos e de consequentes sacrifícios à população.

A opção pelo mercado não deixa dúvidas: para o país voltar a crescer e assim criar empregos, só facilitando a atividade empresarial e ao mesmo tempo penalizando a massa assalariada. A receita é milenar e bate de frente com as políticas sociais.

Logo virão os efeitos, para os quais o PT e penduricalhos já se preparam, apesar das promessas do novo presidente Michel Temer. Não haverá como deixar de atingir iniciativas assistencialistas, dos múltiplos planos e programas implantados há treze anos.

Eis o nó impossível de desatar, objetivo maior dos responsáveis pelo afastamento de Dilma, que de seu turno nada percebeu e nada conseguiu fazer para impedir o retorno ao neoliberalismo.

Vale aguardar as primeiras medidas de arrocho social e as inevitáveis reações da maioria. Nada de recuperação da popularidade de Madame, mas a rejeição da volta ao favorecimento das elites será explosiva.

Mais do que sonhos e fantasias, é o que nos espera. Logo a classe média estará se aproximando das massas e, pelo lado oposto, tornando o país ingovernável. A menos, é claro, que Henrique Meirelles tenha virado Mandrake...