20.6.16

AÇÃO COLETIVA VAI PAGAR MAIS DE R$ 100 MIL EM DIFERENÇAS SALARIAIS DE PLANOS ECONÔMICOS

Via SINPOSPETRO-RJ -

Diz o ditado que a justiça tarda mais não falha. Depois de 22 anos, a 4ª Vara do Trabalho de Duque de Caxias, realiza nesta terça-feira (21), audiência de conciliação para pagamento das perdas salariais dos Planos Econômicos, a um grupo de ex-funcionários do Posto Morgado. O departamento jurídico do SINPOSPETRO-RJ ainda não conseguiu localizar os trabalhadores, que,  em 1994, entraram na Justiça do Trabalho com ação coletiva pedindo as diferenças salariais. O processo de ressarcimento das perdas envolve uma quantia de mais de R$ 100 mil.

Como a ação é coletiva, não consta nos autos do processo o endereço dos trabalhadores. Apesar de a empresa continuar ativa, os endereços do ex-funcionários não estão atualizados. Na audiência, agendada erroneamente pela Justiça para o dia 23 de maio de 2016, o representante do posto apresentou uma contraproposta para o pagamento das diferenças salariais. A proposta, no entanto, não pôde ser aceita pelo departamento jurídico do SINPOSPETRO-RJ, que representa os trabalhadores, porque a Justiça convocou as partes, mas não oficializou a audiência.

O departamento jurídico quer que os trabalhadores envolvidos no processo participem da audiência   que será realizada, amanhã, às 9h,  na 4ª Vara da Justiça do Trabalho de Duque de Caxias, que fica na Avenida Brigadeiro Lima e Silva, 1576, 4º andar, no Centro do Município.

ATENÇÃO!! Se você já trabalhou ou conhece algum ex-funcionário do Posto Morgado relacionado  na lista abaixo entre em contato urgente com o sindicato pelo telefone 2233-9926.

Osvaldo Tavares Nunes 

Joaquim César Bahia 

Claudenir Peçanha Pacheco 

Cláudio Ferreira da Silva 

Edvaldo de Oliveira Pepes 
Alexandre Barreto Fernandes 
Marcos Benjamin do Canto 
Marcelo Nunes Tavares



Na ação, o grupo de funcionários do Posto Morgado reivindicou as diferenças salariais relativas aos Planos Bresser (1987), Verão(1989) e Collor (1990). No processo eles pedem a correção das diferenças salariais referentes ao salário aplicado em 1988, conforme determinava a convenção Coletiva. A correção prevista na sentença incide sobre pisos salariais diferenciados, como era praticado na época.


*Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ.