18.6.16

DECRETO DE CALAMIDADE FOI COMBINADO COM O INTERINO TEMER

ILUSKA LOPES -


Francisco Dornelles, governador em exercício do Rio de Janeiro, anunciou que a decretação do estado de calamidade pública abrirá espaço para a tomada de medidas muito duras nos próximos dias para enfrentar a crise econômica no estado (sic).

Lamentavelmente o veteraníssimo político não quis detalhar para o cidadão-contribuinte-eleitor quais medidas serão tomadas a partir da próxima semana.

O recado "terrorista" foi claro: “O decreto de calamidade pública tem objetivo de chamar a atenção de toda a sociedade do Rio para os problemas que vive o estado, abrindo caminho para que a gente possa tomar medidas muito duras no campo da administração. Isso, no momento oportuno, nós vamos equacionar”, disse.

A decisão do governo do Rio de Janeiro de decretar estado de calamidade pública teve o aval do vampiro, digo presidente interino Michel Temer. Na véspera de o governo do Estado emitir o decreto, a múmia, digo Francisco Dornelles (PP) e o prefeito da capital Dudu Pinóquio Paes (PMDB) foram a Brasília comunicar o presidente em exercício (sic) da medida de exceção.

Temer os recebeu na noite desta quinta (16) no Palácio do Jaburu. Com a medida, o governo federal repassará R$ 2,9 bilhões para o Estado, para conclusão da linha 4 do metrô, pagamento de horas extras de policiais e ainda para manter em dia os salários dos servidores até os Jogos Olímpicos. 

Com esse acordo oportuno entre "cavalheiros", ou chantagem, os responsáveis pela gestão pública do RJ ficarão livres e desembaraçados de acusações na justiça por má gestão e obrigações constitucionais. Pior ainda é termos a certeza que boa parte desse dinheiro será tragado por corrupção, negociatas e desvios.

Sinal dos tempos, aliás, digo, final dos tempos!