1.7.16

CUNHA: 5 BILHÕES EM PROPINA; FINALMENTE! NA PRISÃO, SÉRGIO CABRAL; ÓDIO PELA DILMA; O IMPIXIMEN DE ROBERTO FREIRE

MIRSON MURAD - atualizado às 13h21 -

CASO DELTA

As obras, como a "reforma" do Maracanã e outras mais, que custaram 21 bilhões de reais para os cofres públicos, foram parar nos cofres da Construtora Delta do mafioso Carlinhos Cachoeira e afins como o ex-governador Sérgio Cabral.

Segundo as investigações da Polícia Federal, os desvios de verba, via propina, somam pouco mais de 600 milhões de reais.

Esse valor é - no mínimo - a "participação" dos recebimentos do Serjão Cabral. A PF, com suas investigações aprofundadas, poderão descobrir que a maracutaia vai a um "inchaço-desvio" de verbas públicas por volta de R$2 bilhões ou mais.

Quem viver, verá!...

CUNHA: 5 BILHÕES EM PROPINA

Notícias em análise, desse escriba de vocês, errou ao informar que o famigerado mafioso Eduardo Telerj Lavajato Dólares na Suíça Cara de Cunha Papagaio (parente de tucano) teria acumulado R$500 milhões em propina.

Pedimos desculpas aos leitores. Cara de Cunha papagaio "arrecadou" - pelo menos - 5 bilhões de reais em propinas e chantagens. Apertem o Carlos Funaro que ele abre a boca.

***

FINALMENTE!

O Carlinhos Cachoeira, mafioso-chefe, foi preso, seu capanga, Fernando Cavendish, presidente da Delta e íntimo do ex-governador Sérgio Cabral e seu secretário e Saúde, Sérgio Côrtes (os três foram flagrados fazendo homérica farra em restaurante de altíssimo luxo em Paris, com nossos impostos, é claro), Cavendish está fugitivo no exterior e a Polícia Federal está no seu encalço.

Agora chegou a vez de Sérgio Cabral ir para o xilindró e, é óbvio, seu secretário de Saúde também. Lá que é lugar para bandidos.

Será bom se o Ministério Público apertar o ex-governador do RJ para dizer onde foram parar as valiosíssimas vigas da Perimetral.

ÓDIO PELA DILMA

A doutora Janaína Paschoal não age como advogada de acusação à presidenta Dilma, no processo de impeachment.

A sua participação é sempre com representações teatrais, gesticulando, vociferando, aos gritos. No último depoimento no Senado, hoje, de uma testemunha, Janaína interrompeu o depoente para contesta-lo.

Isso pode? Suas atitudes, até mesmo em entrevistas, deixam a nítida impressão de que a advogada não está atuando. Mais parece ser um desabafo de quem odeia a presidenta do Brasil. Será? ...

Calma, doutora! Olha o coração! Suco de maracujá e uma boa noite de sono ajuda.

O IMPIXIMEN DE ROBERTO FREIRE

Alguém precisa - urgentemente - ensinar ao deputado Roberto Freire que o apelido do golpe que estão armando contra a presidenta Dilma chama-se impeachment.

A pronúncia correta, deputado, é impítmen e não impíximen como sua excelência vem agredindo, constantemente, nossos ouvidos, com suas declarações. Não me leve a mal contudo, precisamos tirar Shakespeare do ostracismo.

*Mirson Murad, colaborador da TRIBUNA DA IMPRENSA SINDICAL, escreve originalmente seus artigos no blog Notícias em Análise.