11.7.16

JANOT PEDE QUE EDUARDO CUNHA DEVOLVA R$ 300 MILHÕES; COM MEDO DAS MILHÕES DE VAIAS, DISCURSO DE MICHEL TEMER NAS OLIMPÍADAS TERÁ 10 SEGUNDOS

ILUSKA LOPES -

A Procuradoria-Geral da República já pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) que o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) seja condenado a ressarcir os cofres públicos em R$ 298,8 milhões por seu suposto envolvimento no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato.

O valor representa a soma do ressarcimento requerido pela Procuradoria nas três denúncias oferecidas contra o deputado ao Supremo.

Na semana passada, Cunha renunciou ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados, mas ele ainda enfrenta um processo de cassação do mandato pela Casa.

Em duas das denúncias, os ministros já o transformaram em réu. Ele responde por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.

Na eleição de 2014, o deputado declarou à Justiça Eleitoral patrimônio total de R$ 1,6 milhão.

Delatores da Lava Jato, no entanto, apontaram o pagamento de pelo menos R$ 21,5 milhões em propina para o peemedebista.

Na mais recente denúncia contra Cunha, apresentada no dia 10 de junho e mantida sob sigilo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defende que seja cobrada do ex-presidente da Câmara a devolução de R$ 13,7 milhões por danos morais e materiais. (Fonte: Folha)


Com medo de vaias, discurso de abertura de Temer na Olimpíada terá 10 segundos

O interino Michel Temer fará de tudo para não ser visto nem notado na cerimônia de abertura da Rio 2016, marcada para 5 de agosto.

Ficou decidido que ele terá uma aparição relâmpago e dirá apenas “declaro abertos os Jogos do Rio, celebrando a 31ª Olimpíada da era moderna”, o que será feito em menos de dez segundos.

O motivo é claro: o Palácio do Planalto teme que ele receba uma vaia histórica, com transmissão para o mundo inteiro, antes da votação final do processo de impeachment no Senado.

Durante as Olimpíadas, serão também marcados protestos, pelos movimentos sociais, no Rio de Janeiro e em outras regiões do País, denunciando um golpe no Brasil e pedindo o “Fora, Temer”.

Como ex-presidentes, Lula e Dilma também pretendem estar presentes na abertura.

A votação final do impeachment deve ocorrer apenas no final de agosto, ou início de setembro. (Fonte: Brasil247)