20.7.16

JUÍZA QUE BLOQUEOU O WHATSAPP CHAMA DE FORA DA LEI OS USUÁRIOS

EMANUEL CANCELLA -

A juíza de primeira instância, Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da 2° Vara Criminal de Duque de Caxias, bloqueou por três dias o aplicativo, mas o STF mandou desbloquear em algumas horas.

A mídia está dando total apoio à juíza que suspendeu, com  irresponsabilidade, a ferramenta de 100 milhões de brasileiros. A Folha de 19/07 rasga elogios à juíza: “Devido à sua coragem, ficou conhecida no Judiciário como Kate Mahoney, em referência à protagonista do seriado americano "Dama de Ouro", exibido na década de 1980”.

Também pudera! As redes sociais, que incluem o WhatsApp, já ocupam quase 50%  do espaço ocupado pela mídia. Inclusive a rede social é usada no Brasil como um contraponto à mídia corrupta e golpista.

As principais mídias brasileiras, como Globo, Band, Folha, Editora Abril responsável pela Veja, Grupo RBS, TV Massa do apresentador ‘ratinho’, Joven Pan, entre outros, estão envolvidas no Swssleaks, Zelotes e Panamá Papers. Esses escândalos envolvem valores de dinheiro público e geometricamente superiores à corrupção na Petrobrás. Mas os responsáveis ficam impunes e só nas redes sociais conseguimos denunciar essa lambança com sonegação e lavagem de dinheiro. É essa mídia que quer limitar o uso do WhatsApp que ‘por acaso a juiza bloqueou’.

A juíza disse também, em êxtase, à Folha: “ ...o aplicativo tornou-se ferramenta de criminosos” ofendendo milhões de usuários, e como se alguém dissesse que todos os juízes são corruptos, pois alguns vendem sentenças, dão habeas corpus a bandidos, etc.

A decisão da juíza é como a de um soldado que, para matar um pássaro que ameaçasse a fuselagem de um avião, lançasse um míssil para matar a ave. Esse soldado seria preso com certeza.

Só a certeza da impunidade pode levar uma juíza de primeira instância a suspender o aplicativo WhatsApp  em todos os estados e do Distrito Federal.  O cidadão do Ceará, da Bahia do Mato Grosso do Sul, etc., sem ter nada a ver com a decisão da justiça de Caxias, no Estado do Rio de janeiros, foi punido no uso do aplicativo.

Os alvos da ação da juíza, os bandidos do processo e os donos do WhatsApp,nada sofreram. O prejudicado foram os cem milhões de usuários que ficaram sem o aplicativo, sem ter nada com isso e ainda são chamados de fora da lei!

A maior punição para essa juíza, que interrompeu a comunicação de mais de cem milhões de brasileiros, é no máximo uma aposentadoria compulsória.

Inclusive prejudicou advogados, juízes e procuradores que também usam a ferramenta;, comerciantes que usam esse tipo de comunicação em seus negócios, etc. E a atitude pode ser vista como um abuso de poder! Temos que denunciar essa ação estapafúrdia, pois não é a primeira vez que isso acontece.

A juíza conseguiu seus 15 minutos de celebridade, profetizados por  Andy Warhol, que na década de 1960, disse ele: "um dia, todos terão direito a 15 minutos de fama".

Desafiamos não só a juíza Daniela, mas a justiça, a tirar do ar pelo menos por algumas horas a concessão pública da mídia corrupta, TV e rádio, envolvidos em sonegação e lavagem de dinheiro. Queremos ver barrar a circulação de jornais e revistas, cujos donos estejam envolvidos em falcatrua!

Enquanto os milhões de usuário são punidos lamentavelmente, juízes que fazem o jogo da grande mídia e dos poderosos viram celebridades.