8.7.16

VIGÍLIA COMERCIÁRIA

Por LUIZ CARLOS MOTTA - Via UGT -

O Brasil precisa mudar de rumo e os comerciários paulistas têm colaborado muito para o País retomar o crescimento econômico. Só o fato de as 12 Regionais da nossa Federação estarem mobilizadas contra a retirada de direitos, refirma nosso posicionamento, efetivo, diante das crises nacionais. O ônus do quadro econômico recessivo não será pago sacrificando os trabalhadores.

Além da luta pela manutenção dos direitos, esta espécie de vigília dos 69 Sindicatos Filiados à Federação valoriza a nossa atuação por empregos e conquista de reajustes dignos, principalmente, nas Campanhas Salariais deste segundo semestre. Trabalhador com poder de compra aquece a economia e, assim, dá sua generosa parcela de contribuição para diminuir a recessão brasileira. E, juntamente com a nossa Confederação, a CNTC, forte, em Brasília, na luta pela preservação da CLT, contra a proposta que prioriza o negociado sobre o legislado, no combate à terceirização ampliada da mão de obra e, entre outros ataques, no repúdio à Reforma da Previdência que iguale a idade para se aposentar entre homens e mulheres.

Somos conscientes dos desafios que se apresentam ao sindicalismo neste momento que reclama a união de todos os setores da sociedade civil para evitar o aumento do desemprego, manter direitos e pagamento de salários dignos.

Também são fortes os objetivos antissindicais anunciados pelo governo interino Temer a pretexto de recolocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento, enfraquecendo o movimento sindical e desprotegendo o trabalhador.

Os comerciários do Estado de São Paulo unem esforços e enfrentam estes ataques dirigidos ao sindicalismo brasileiro. Sem Sindicato forte e bem estruturado o trabalhador fica exposto à vontade e aos humores dos patrões.

Por isso, corre em toda nossa base comerciária paulista uma campanha de sindicalização. Defendemos que todo o trabalhador tem a liberdade de ser sindicalizado. É um direito democrático que, no que depender de nós, nunca será motivo para perseguições e demissões arbitrárias. Trabalhador sindicalizado fortalece suas entidades de classe!


*Presidente da Federação dos Comerciários do Estado de São Paulo, entidade filiada a União Geral dos Trabalhadores (UGT).