22.8.16

DECEPÇÃO NO QUADRO DE MEDALHAS, O TERRORISMO NÃO VEIO ÀS OLIMPÍADAS

MARINO D ICARAHY -

Tirando os sargentos e as superações pessoais e coletivas, bem como os atletas que ganham muito dinheiro (como os do vôlei masculino e os do futebol), o desempenho do Brasil foi muito abaixo do esperado, que era dobrar o número de medalhas da última Olimpíada e ficar entre os dez países mais medalhados, principalmente considerando que os jogos aconteceram aqui.

O judô, só para dar exemplo, foi um fiasco. Claro! Não houve o planejamento e o apoio indicados. Me lembro quando foram apresentados os primeiros esboços de planejamento e da politicagem de sempre, privilegiando "panelinhas" e apaniguados, com parcos recursos sendo disputados pelo oportunismo costumeiro, deixando de lado as reais possibilidades de um trabalho consequente.

Se o judô tivesse realmente feito o dever de casa, com a antecedência e a competência indicadas, o resultado poderia ser outro, pois temos atletas maravilhosos, mas sem nenhuma estrutura para cumprir um planejamento científico, profissional, capaz de colocá-los à altura dos competidores estrangeiros.designados como adversários.

O TERRORISMO NÃO VEIO ÀS OLIMPÍADAS

Dessa forma, fica mais uma vez provado que a "Lei Dilma" contra o terrorismo era completamente desnecessária. Só serviu para os ensaios ridículos e cruéis protagonizados por esse Ministro da Justiça fascista. As Olimpíadas terminaram, o terrorismo não veio, mas a nefasta Lei Antiterrorismo ficou, para servir de instrumento repressivo desse Estado policial, fascista e terrorista.