20.10.16

JUIZ MORO CHAMA CUNHA DE "SERIAL KILLER". POLÍTICOS ESTÃO APAVORADOS SEM CONSEGUIR DORMIR

ALCYR CAVALCANTI -


A prisão do ex-todo poderoso Eduardo Cunha, que quase chegou à Presidência da República era esperada, mas sempre havia no ambiente político brasileiro, em especial em Brasília uma esperança de que ele conseguisse mais uma vez sair ileso. O presidente Michel Temer, em viagem oficial  veio correndo para o Brasil para assumir os acordos e possíveis desacordos, visto que quase todos poderiam estar no "Dossier Cunha". Cassado há um mês o deputado que chegou ao posto de presidente da Câmara sempre foi uma pessoa de grande influência e temido por todos. A presidente Dilma Roussef afastada pelo processo de impeachment conduzido por Cunha, foi obrigada a contragosto a "pedir a benção" àquele que era chamado nos bastidores de "Coisa Ruim" por um jornalista que transita entre os mandatários da nação.


Um dos pedidos para a prisão do ex deputado foi a possibilidade, segundo o juiz, de uma fuga para o exterior. Eduardo Cunha que tem dupla nacionalidade , italiana e brasileira poderá fazer a chamada "delação premiada" ou a "deduragem" oficializada e celebrada pelos mandantes da nação. No entanto oficialmente o governo ainda não fez nenhuma declaração oficial. De funcionário e diretor da TELERJ, empresa de telefonia a "quase presidente" Cunha é um "Arquivo Vivo" e bem vivo. Dotado de grande inteligência e excelente memória ele tem guardado situações desagradáveis que poderiam abalar a já extremamente debilitada política nacional.

O que vai acontecer, o que será do amanhã? Só Deus sabe e Eduardo Cunha também.