5.11.16

GOVERNADORES TUCANOS DESVIAM DINHEIRO DE MERENDA E MANDAM BATER EM PROFESSORES E ALUNOS. E OS PRESOS SÃO INTEGRANTES DO MST ???

EMANUEL CANCELLA -


É um acinte da polícia, invadir a escola do MST, Florestan Fernandes, e prender integrantes do MST no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do sul.

Os tucanos nem sequer são investigados pela justiça, nenhum deles foi preso, nem no mensalão que está prescrevendo e nem pela Lava Jato.

Com o agravante que o governador do Paraná, Beto Richa mandou a PM bater em professores e alunos (1). O governo do tucano,  Geraldo Alckmin é acusado com fartas provas de desvio de dinheiro de merenda de crianças (2).

A  Agricultura Familiar, braço do MST é responsável por mais da metade da agricultura que vai no dia a dia para a mesa dos brasileiros.

Na escola Florestan, se estuda técnicas de agricultura e também de política.

Será que política só pode ser ministrada e discutida no Instituto Millenium do PSDB? Na escola Florestan Fernandes já estiveram Petroleiros que realizaram três seminários sobre a Geopolítica de Petróleo.

Estudantes e trabalhadores de vários países do mundo vão a Guararema local da escola do MST para debater os mais diversos assuntos e técnicas.

Na escola Florestan se debate a reforma Agrária prevista na lei, LEI Nº 8.629, DE 25 DE FEVEREIRO DE 1993.  Sabendo-se que o Brasil é único país desenvolvido do mundo que não fez a Reforma Agrária.

Quem apoia e participa do MST sabe que tudo que é feito, é previsto em lei. 
Já o PSDB que nunca foi investigado e muito menos preso, apesar de desrespeitar a lei como na comprar votos para reeleição como fez FHC; do governador Geraldo Alckmin, que além do desvio do dinheiro da merenda, é citado no Propinoduto, escândalo do Metrô, e é  também citado por corrupção na Lava Jato (4, 5).

Beto Richa também é investigado em esquema de corrupção pela Lava Jato (3).

Diante da ficha policial dos envolvidos na denúncia creio que o GPS da polícia errou, não são os trabalhadores os quais devem ser presos, são os governantes!

Fonte:

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP)  e Arthur Ferrari – Petroleiro com orgulho, há 33 anos.