7.11.16

PETROLEIROS FARÃO CARAVANAS EM APOIO ÀS ESCOLAS OCUPADAS NO BRASIL

EMANUEL CANCELLA -


A Federação Nacional dos Petroleiros - FNP começará, na próxima semana, a realização de caravanas em apoio às escolas ocupadas. Levaremos cestas básicas, ajuda material, aos estudantes, mas principalmente queremos prestar contas em relação à campanha da década de 40/50 “O Petróleo é Nosso!”, quando os estudantes foram fundamentais para o movimento, que resultou na criação da Petrobrás e no Monopólio Estatal do Petróleo.

Hoje, 63 anos depois, os petroleiros e a Petrobrás podem dizer, com orgulho, que cumprimos o compromisso que assumimos com a sociedade brasileira.

Abastecemos de derivados de petróleo, ininterruptamente, todo o país. Até outubro de 2014, quando começou a crise, com os impostos que pagamos financiamos 80% das principais obras do país.

Desenvolvemos tecnologia inédita no mundo, o que permitiu a descoberta do pré-sal, que já produz mais de hum milhão de barris de petróleo/dia, e com essas reservas garantimos o abastecimento do país no mínimo nos próximos 50 anos.

Com a lei de Partilha, 75% dos royalties de petróleo vão para educação e 25% para a saúde. Retomamos a indústria naval, destruída pelo governo de FHC, e com o pré-sal teremos uma explosão na construção de navios e plataformas etc, envolvendo milhares de empregos.

Tudo isso está sendo ameaçado pelo governo golpista, que tem interesse em entregar a empresa e está inicia isso com as seguintes ações:

_  venda de ativos como a malha de dutos do Sudeste, que depois vamos ter que pagar para usar;

_ entrega da BR, responsável em grande parte pelo faturamento da companhia;

_ entrega de refinarias e de empresas do Sistema Petrobrás, como Liquigás, Transpetro e outras;

_ venda de Carcará, campo gigante do pré-sal, sem licitação e a preço de um refrigerante por cada barril de petróleo.

_ a indústria naval novamente está voltando para os estrangeiros, gerando emprego e renda para os gringos.

Os golpistas tiveram a coragem de retirar a Petrobrás de setores estratégicos e lucrativos, como da petroquímica, biocombustíveis, fertilizantes e do gás.

Precisamos reaglutinar as forças que fizeram da campanha do petróleo o maior movimento cívico que o país conheceu. Precisamos juntar, de novo, civis, militares, comunistas, conservadores e estudantes para barrar a maior conquista do povo brasileiro que foi a Petrobrás, que os golpistas agora querem destruir!

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).