28.1.17

1 - PEZÃO PEDE SOCORRO AO STF, MAS NÃO COBRA DINHEIRO ROUBADO POR SERGIO CABRAL; 2 - SEM CURSO SUPERIOR, EIKE BATISTA QUER PRESÍDIO MAIS SEGURO PARA SE ENTREGAR

REDAÇÃO -

O governo do Rio de Janeiro recorreu nesta sexta-feira 27 ao Supremo Tribunal Federal para tentar acelerar o acordo assinado nesta semana com a União para receber ajuda financeira.

Luiz Fernando Pezão, no entanto, não pediu até agora à Justiça a devolução aos cofres do Estado do que seu antecessor, Sergio Cabral, cobrou. Desde o início da Operação Calicute, a Justiça conseguiu recuperar US$ 100 milhões.

***
Sem curso superior, Eike quer presídio mais seguro para se entregar

O empresário Eike Batista, cuja prisão foi decretada pela Justiça federal do Rio de Janeiro, está disposto a se entregar à Polícia Federal desde que não tenha que ir para uma prisão comum, na qual ele acha que correria risco de vida, segundo a Folha apurou.

Apesar de ser sido o empresário mais rico do Brasil em 2012, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões, ele não tem curso superior e por isso não tem direito a ficar num presídio mais seguro, como o que se encontra o ex-governador Sergio Cabral (PMDB), em Bangu, na zona norte do Rio.

Eike viajou na última terça-feira (24) para os Estados Unidos, onde se encontra em local ignorado, usando um passaporte alemão –ele tem dupla nacionalidade. Os seus advogados negam que ele soubesse do decreto de prisão e tenha ido para os EUA para escapar da ordem do juiz federal Marcelo Bretas.

Eike foi o principal alvo da Operação Eficiência da Polícia Federal, deflagrada nesta quinta (26) pela Polícia Federal. O empresário teve a prisão decretada depois que dois doleiros fizeram acordos de delação com procuradores da Operação Lava Jato no Rio e contaram que ele pagou US$ 16,5 milhões de propina a Sergio Cabral. Os doleiros são os irmãos Renato e Marcelo Hasson Chebar. (via folha)