24.1.17

A ABI LADEIRA ABAIXO

Por SOLANGE RODRIGUES -

Modesto da Silveira, ABI, sala Belisário de Souza, julho/2012. Foto: Daniel Mazola.
O Paladino dos Direitos Humanos, Modesto da Silveira, completou na data de hoje (23/01), 90 anos de vida. A família mandou rezar uma missa em sua memória na Igreja de Santa Luzia. A atual direção da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), fez o favor de anunciar em seu site, a cerimônia. Após a missa, uma reunião para lembrar Modesto foi realizada para que a família, os amigos, aqueles que foram defendidos por ele e os sobreviventes dos porões da ditadura empresarial militar, fossem render sua homenagem ao grande brasileiro que foi e continuará na memória de todos o honrado Modesto da Silveira. A ABI fez o favor de ceder a sala Belisário de Souza, no sétimo andar, somente isso.

Nenhuma convocação especial, nenhuma produção foi promovida pela direção da ABI e ou, divulgada no site.

Confira o vídeo: 'Tortura, Até Quando?', com Modesto da Silveira e Wadih Damous.

Pouca gente tomou conhecimento de que haveria um encontro para lembrar o gigante Modesto da Silveira. O evento na sala do sétimo andar da ABI, sem a devida produção e divulgação, contou com poucas pessoas. Lá se reuniram familiares de Modesto com alguns amigos. O comparecimento foi insignificante diante da grandeza de vida que teve o aniversariante. O presidente da ABI, Domingos Meirelles, não esteve presente; o presidente do Conselho Deliberativo, Ivan Cavalcante Proença, permaneceu em sua sala, naturalmente envolvido em atividades visando apresentar as Atas solicitadas pelos membros da Chapa Villa-Lobos.

Presente esteve um representante da OAB que enalteceu a figura do grande homem, abnegado advogado defensor dos oprimidos. Lembrou em sua fala que na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB -Seção Rio), foi votado e aprovado que o maior salão da OAB passará a se chamar Modesto da Silveira e que a OAB vai patrocinar a edição de um livro sobre o Paladino dos Direitos Humanos.

Pela ABI, não de hoje, mas de ontem, falou a Jornalista e Advogada, ex-Presidenta do Conselho Deliberativo da ABI, Lygia Jobim. Lygia falou em nome do campo Memória Verdade e Justiça e do Movimento Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça que contou com o apoio de Modesto da Silveira. Lygia concluiu sua fala, lamentando que um homem que lutou tanto por aquela Casa dos Jornalistas, fosse lembrado de forma tão tímida.

Tempos passados, na época de Barbosa Lima Sobrinho, Modesto tinha um espaço reservado na ABI, onde recebia os jornalistas que precisavam de um defensor para lutar pelos seus direitos. Não era uma sala para resolver seus assuntos pessoais ou profissionais, era um espaço, em qualquer lugar, para lutar pelos direitos de todos os defensores dos Direitos Humanos na ditadura e qualquer associado da ABI. Tinha sempre os dias em que poderia ser encontrado. Todos os que trabalhavam na casa sabiam informar quem o procurasse. Era um trabalho voluntário, por ele não recebia nada.

O Paladino dos Direitos Humanos trabalhou incansavelmente em prol da casa dos jornalistas, como lembrou Lygia em sua fala, era um homem respeitado e admirado por todos que com ele conviveram.

Como Jornalista e Associada da ABI, a autora deste artigo pede desculpas às filhas de Modesto, "eu e todos os membros da Chapa Villa-Lobos" que não agem como aqueles que se adonaram da nossa Casa dos Jornalista e viram as costas aqueles que deram sangue, suor e lágrimas para fazer dessa entidade uma ABI conhecida internacionalmente, imbuída de ética e dirigida por homens de bem.

Quando uma entidade de classe vira as costas aos seus melhores, significa que seus pseudos dirigentes vão descendo ladeira abaixo.

*Solange Rodrigues, Escritora e Jornalista, Coordenadora de Filosofia do IDEA – Programa de TV Canal Universitário de Niterói – Unitevê – Universidade Federal Fluminense – UFF/Fonte: blog Jornal da ABI.

---
Leia também:

- A DIALÉTICA ESTÉRIL DO MONOPÓLIO DA INFORMAÇÃO