23.1.17

O DESESPERO DO DESTINO, E A MORTE INESPERADA E INCOMPREENSÍVEL. O NOVO RELATOR NO SUPREMO

HELIO FERNANDES -

Haja o que houver, Zavascki é a eternidade. Zavascki é a tristeza, o lamento, a saudade, o imprevisível. Assim que soube do desastre, o juiz Sergio Moro sentenciou: "Sem Zavascki não haveria a Lava Jato". Imediatamente, com ou sem as teorias da conspiração, não perdem tempo, aproveitam a ausência de Zavascki, não admitem a sobrevivência da Lava-Jato.

Quem estava ontem no velório de Porto Alegre, se despediu chorando de Zavascki. Pelo Brasil inteiro, o povo rezou pedindo a Deus, que não deixasse compuscar ou destruir o legado da sua vida de dignidade, sabedoria, combatividade, incomparável lealdade com valores que não podem ser esquecidos ou desfigurados.

Leia mais na COLUNA